20 de junho de 2016
por esmael
107 Comentários

Oi, ícone da privatização tucana, pede recuperação judicial R$ 65 bilhões

temer_renan_privatizacao_psdbO modelo de privatização de estatais na era Fernando Henrique Cardoso, enaltecido pela mídia e os partidos de direita durante os anos 90, deu seu último suspiro com o anúncio da dívida de R$ 65 bilhões da telefônica Oi e o consequente pedido de recuperação judicial. Dentre os credores está a “viúva”, isto é, o BNDES.

30 de dezembro de 2015
por admin
15 Comentários

Coluna do Alvaro Dias: 2015, ano de mudança e renovação

Download áudio

Alvaro Dias*

Dois mil e quinze pode se consagrar como o ano em que se iniciou uma grande mudança no País. Multidões foram às ruas para demostrar o renascimento da indignação e da luta por uma cidadania mais digna.

Do outro lado, houve a presença forte de instituições importantes que se consolidaram, como a Polícia Federal, o Ministério Público e a Justiça Federal, ressuscitando esperanças, até então sepultadas, em razão da prevalência da impunidade sobre a justiça.

Enfim, 2015 foi o ano em que se estabeleceu o marco de um novo rumo, com uma nova justiça e instituições mais sólidas.

No Senado, apesar da crise, a produtividade foi alta. Não deixamos de votar, e avançamos em temas importantes como a reforma política. Apesar de ainda não termos um sistema político compatível com as aspirações da sociedade, o balanço numérico de votações sobre o tema foi expressivo.

Também avançamos em alguns projetos na área de combate a corrupção, como o que transforma a corrupção em crime hediondo. Projeto que tive a honra de relatar e torná-lo ainda mais rigoroso, incluindo os crimes de concussão e peculato.

Relatei ainda, entre outros, o projeto que cria uma vara federal de competência criminal em Cascavel (PR); a proposta que transforma o transporte público em direito constitucional; e o projeto do senador Aécio Neves que procura reduzir o número de cargos comissionados, estabelecendo a meritocracia como porta de entrada para a serviço público.

Projetos da Agenda Brasil também foram votados, mas nem sempre a Câmara dos Deputados responde na velocidade exigida pela sociedade, relutando em dar celeridade às propostas que têm o Senado como origem.

Para 2016, as perspectivas não são otimistas no cenário político, com a continuidade da Operação Lava Jato e a votação do processo de impeachment contra a presidente da República. O ano, ao que tudo indica, será de nervosismo p

27 de setembro de 2015
por esmael
13 Comentários

“Vamos às ruas pela taxação do andar de cima”, avisa líder do MTST

O filósofo e colunista Guilherme Boulos, líder do Movimento dos Trabalhadores Sem Teto (MTST), concedeu uma entrevista exclusiva ao Blog do Esmael neste domingo (27). Ele está em Curitiba debatendo saídas populares para crise política e econômica do Brasil e falou da “Frente Povo Sem Medo”.

Uma das saídas, segundo Boulos, é mobilizar o povo para conter o avanço conservador no país.

“Em outubro, vamos às ruas pela taxação do andar de cima. A saída é pela esquerda, uma reforma popular que exija a taxação dos mais ricos”, avisou.

Boulos, que é colunista do jornal Folha de S. Paulo, deu sua impressão sobre Curitiba: “Houve forte especulação imobiliária nos últimos anos, o que detrói o mito da cidade modelo.

“Houve forte especulação imobiliária nos últimos anos, o que reforça o mito da cidade modelo”, disse o líder do MTST, ao mencionar três ocupações na capital paranaense do MPM (Movimento Popular por Moradia) que reúnem 1200 famílias.

A seguir, leia a entrevista completa com Guilherme Boulos:

Blog do Esmael: Qual a avaliação do cenário político, os riscos para os setores populares?

Boulos: Vivemos uma conjuntura bastante complexa para a esquerda brasileira. Assistimos a uma ofensiva ultraconservadora, da direita mais golpista, que quer impor um retrocesso institucional ao país. Essa direitona precisa ser combatida no Congresso Nacional e nas ruas. O governo vai cometendo erros, que são as medidas de austeridade, impopulares, que destroem o apoio da sociedade. Esse é o nosso desafio: enfrentar os conservadores e o golpismo, combater a austeridade e defender reformas populares.

Blog do Esmael: O governo Dilma “fica” e quais as alternativas para essa encruzilhada?

Boulos: Nós temos que trabalhar com três orientações básicas: 1- retomar capacidade de mobilização, ciclo de mobilização popular, esquerda retomar as ruas (a direita tem tomado as ruas e nós não temos), deixando de fazer política com olhos na institucionalidade; 2- unidade, fazer frentes de luta e mobilização, e n

22 de agosto de 2015
por esmael
2 Comentários

Ao vivo: Requião lança campanha nacional por mudanças na economia e contra a corrupção no governo Richa

O senador Roberto Requião comanda a partir das 10 horas deste sábado (22), em Pato Branco, região Sudoeste do Paraná, mais uma cruzada contra a corrupção no governo Beto Richa (PSDB) durante encontro regional do PMDB.

O Blog do Esmael, em parceria com a TV 15, transmite o comício ao vivo para o Brasil e o mundo.

No evento, o parlamentar peemedebista lançará uma campanha nacional por mudanças na economia pela presidenta Dilma Rousseff (PT).

“A ‘Agenda Brasil’ proposta por Renan Calheiros, presidente do Senado, é uma compilação de todos os lobbies no país. É um atentado contra os brasileiros e a economia nacional”, disse hoje pela manhã ao Blog do Esmael.

Requião também deverá criticar os exageros da operação Lava Jato. Segundo o senador, a “presunção de inocente” não está sendo levada em conta pelo juiz Sérgio Moro. “Daqui a pouco qualquer cidadão pode ser denunciado por um procurador da República em virtude de vingança, por inimizade”, apontou.

16 de agosto de 2015
por esmael
1 Comentário

Requião só “pega em armas” para defender governo se Dilma mudar a política econômica; assista

Usando a metáfora do presidente da CUT, Vagner de Freitas, o senador Roberto Requião (PMDB-PR) diz que só “pegará em armas” para defender o governo se a presidenta Dilma Rousseff (PT) mudar a política econômica.

“O voto é a arma do soldado cidadão”, tuitou.

Durante encontro estadual do PMDB realizado ontem (15), em Curitiba, o senador denunciou o ataque contra a Petrobras e empresas públicas e pediu a cabeça do ministro da Fazenda, Joaquim Levy, que impõe arrocho aos trabalhadores.

Requião também voltou a rechaçar a “Agenda Brasil”, proposta pelo presidente do Senado, Renan Calheiros (PMDB-AL), a qual considera uma sugestão de extrema-direita. “Não é um programa do PMDB. É da extrema-direita, do José Serra e do Levy”.

Dentre os temas proposto pelo presidente do Senado está a polêmica taxação dos usuários do Sistema Único de Saúde (SUS). Hoje o serviço público é universalizado e gratuito.

“É a agenda do retrocesso, do liberalismo econômico, da terceirização, do fim da Petrobras e da entrega. É a agenda da cobrança no SUS. É o atraso. Essa abertura total aconteceu no México onde 50% da população vive na miséria absoluta”, discursou.

“Impeachment, não. A pressão tem que ser para que Dilma mude a política econômica”, orientou uma plateia composta de 700 peemedebistas vindos dos 399 municípios do Paraná.

Sobre a operação Lava Jato, o senador paranaense defendeu que os ladrões do erário devam ir para a cadeia. No entanto, Requião criticou os excessos de promotores e do juiz Sérgio Moro.

“Vejo com tristeza os atropelos na operação Lava Jato, na legalidade e nas regras do Direito. Vejo com preocupação porque o Ministério Público e os juízes vão se empoderando. Amanhã o arbítrio do judiciário poderá atingir toda a sociedade”, alertou Roberto Requião.

“Nada de impeachment, mas o governo não tem bandeira. A ‘Agenda Brasil’ vai nos transformar numa Grécia”.

Assista ao vídeo:

11 de agosto de 2015
por esmael
1 Comentário

Requião: ‘Agenda Brasil’ de Renan é obra de Joaquim Levy

dilma_renan_requiaoO senador Roberto Requião (PMDB-PR) contestou a versão de que a ‘Agenda Brasil’ apresentada pelo presidente do Senado, Renan Calheiros (AL), como sendo da bancada do partido e do Congresso Nacional. Segundo o parlamentar paranaense, o programa proposto pelo correligionário, na verdade, seria obra do ministro da Fazenda Joaquim Levy. Leia mais