18 de abril de 2014
por Esmael Morais
15 Comentários

Coluna do Ricardo Mac Donald: Faltam quadros, sobram sanguessugas na máquina pública!

Ricardo Mac Donald*

Temos sofrido com a demora, a duplicação de custos, a perda de oportunidades de inovação, o desvio de finalidade e, por fim, o receio de funcionários públicos em decidir e agir, não por culpa sua, mas porque uma superestrutura de observantes! retarda o processo e causa insegurança jurídica por múltiplas orientações divergentes.

Soma-se a isso o fato, nem sempre lembrado, de que o golpe de 1964 ceifou toda uma geração de líderes, administradores e gente que pensava o Brasil.

Com a redemocratização, muitos tiveram a oportunidade de ainda atuar: Mário Covas, Franco Montoro, Ulisses, Miguel Arraes, Brizola, Trancredo Neves, Lula e vários outros representaram os conhecimentos de uma geração disposta a trabalhar, cada qual a seu modo, pelo bem do País.

Mas, depois deles, quem? Forma-se um doloroso hiato, aliás, antevisto por Ulisses Guimarães quando dizia: se vocês acham este Congresso ruim, esperem para ver o próximo!. O Lula, no auge da sua forma, falava dos trezentos picaretas da Câmara Federal!. Menos mal que sobravam 213 bons deputados.

Quem lucra e convive bem com este estado de coisas? Ele, o nosso paradigma nas casas legislativas, caminhando para o 7!º mandato, pouco tempo alisando os bancos escolares, mas ágil na troca de favores, nomeação de amigos e parentes, especialista em títulos de utilidade pública e em prestar homenagens, conferindo nome de pessoas a estradas e obras públicas.

Cioso do seu mando político!, da sua cota! nos governos, funciona como intermediário entre os Poderes Públicos e os cidadãos. Verdadeiro despachante de luxo!, não desgosta da burocracia exacerbada, antes vive dela.

Assim, não é à  toa que a família Sarney manda há 50 anos no Maranhão, ACM disse e desdisse na Bahia enquanto viveu, Jader Barbalho é irremovível no Pará, Fernando Collor nas Alagoas.

Celso Furtado, Ministro do Planejamento de Jango Goulart, matou a charada quando disse: o subdesenvolvimento se autoalimenta!.

Obs.: Prometi aos meus poucos leitores que acabaria hoje a série, mas não sobrou espaço para debater algumas soluções. Nos vemos na próxima.

*Ricardo Mac Donald Ghisi é advogado, secretário Municipal de Governo de Curitiba. Escreve à s sextas no Blog do Esmael.

Leia mais