Sergio Moro derrota Alvaro Dias na pesquisa DataUniversal

► Moro, a cria, supera o criador [Alvaro], segundo pesquisa

A pesquisa Real Time Big Data, divulgada nesta segunda-feira (27/06), mostra o ex-juiz Sergio Moro (União) derrotando o senador Alvaro Dias (PODE) na disputa pela única vaga ao Senado.

O levantamento contratado pela RIC TV, afiliada da TV Record do Paraná, ganhou as etiquetas “DataUniversal” e “DataMoro“.

Na quarta-feira, 22, o Blog do Esmael publicou cifrado os números [‘Questão econômica pode complicar candidatos do governo‘] para disputa, que apresentam pequena diferença porque no fim de semana o instituto mudou o registro no TSE.

O PT pediu a impugnação dessa pesquisa, no entanto, o TRE-PR negou liminar ao partido.

Segundo a pesquisa, Sérgio Moro tem 30% dos votos, seguido de Álvaro Dias com 23%.

– Fico honrado pela confiança recebida do povo paranaense na pesquisa para o Senado. Seguiremos lutando e nada vai nos deter – disse Sergio Moro, referindo-se à sondagem.

O Blog do Esmael cantou que Moro [Marreco Assado] teria 29% – foi arredondado para 30% – enquanto Alvaro [hot dog por causa do cão Hugo Henrique] teria 23%. Bingo!

Pesquisa do banco BTG/FSB mostra Lula liderando disputa para presidente

Lula lidera na região Sul, segundo o Datafolha

Em baixa, Bolsonaro vê Marcha para Jesus esvaziada em Balneário Camboriú

Dr. Rosinha (PT) tem 7%; Paulo Martins (PL), 6%; Aline Sleutjes (Pros),  2%; e Alex Canziani (PSD) e Guto Silva (Progressistas), 1% cada.

No segundo cenário, sem Sérgio Moro, Álvaro Dias lidera com 35%, Paulo Martins tem 8%, Dr. Rosinha tem 7%, Alex Canziani tem 4%, Aline Sleutjes tem 3% e Guto Silva tem 2%.

Na sequência, Paulo Martins e Dr. Rosinha tem 8% cada um, Alex Canziani tem 4% e Aline Sleutjes e Guto Silva tem 3% cada. 
A pesquisa foi contratada pelo Grupo RIC, realizada pela Real Time Big Data e registrada sob o número PR-06518/2022. Os dados foram coletados na modalidade quantitativa telefônica. Ao todo, 1.500 paranaenses, eleitores com mais de 16 anos, foram entrevistados, entre 24 e 25 de junho deste ano. A margem de erro é de três pontos percentuais para mais ou para menos.