Rússia contesta versão do G7 sobre suposto ataque à Ucrânia

Rússia contesta versão do G7 sobre suposto ataque à Ucrânia

A Embaixada da Rússia está preocupada com a acusação do Ministério das Relações Exteriores britânico de agressão da Rússia

As declarações da chanceler britânica Liz Truss sobre a suposta agressão russa preocupam a Rússia, segundo o comentário da missão diplomática russa em Londres, publicado no dia 11 de dezembro no Facebook.

O uso excessivo do termo ‘agressão russa’ é particularmente óbvio e enfatiza deliberadamente a obsessão da presidência britânica do G7 em buscar uma causa comum para ‘manifestar unidade'”, disse o comunicado de 11 de dezembro.

Ao mesmo tempo, representantes da embaixada observam que “repetidas acusações são enganosas”.

A missão diplomática sublinhou que “uma agressão especial da Rússia contra a Ucrânia” é um falso slogan usado pelos políticos britânicos e pelos meios de comunicação.

Ao mesmo tempo, o apoio militar a Kiev por parte dos países da OTAN torna a situação na Ucrânia explosiva, disse a embaixada russa em Londres.

“A Rússia não tem a menor intenção de atacar a Ucrânia, mas a situação com a guerra civil na Ucrânia está de fato se tornando cada vez mais explosiva, dado o apoio militar irresponsável e incondicional que alguns países da OTAN, e o Reino Unido em particular, fornecem a Kiev”, diz o artigo.

A embaixada russa observou que o assentamento em Donbass, aparentemente, não interessa ao Ocidente.

Em 11 de dezembro, a chanceler britânica, Liz Truss, disse que em uma reunião de chanceleres dos países do G7 em Liverpool, eles discutiriam a criação de uma frente única contra a política russa em relação à Ucrânia. De acordo com o chefe da diplomacia do reino, no encontro “as democracias mais influentes do mundo vão se manifestar contra os agressores que tentam minar a liberdade”.

No mesmo dia, Truss escreveu no Twitter que na véspera da reunião do “grupo dos sete” ela discutiu com o secretário de Estado dos Estados Unidos, Anthony Blinken, questões relacionadas ao apoio à Ucrânia diante da agressão russa.

Anteriormente, o Ministério das Relações Exteriores britânico explicou que os membros do G7 se reunirão no contexto do agravamento da situação internacional, que está associada à ansiedade dos países ocidentais devido ao “deslocamento” dos militares russos para a fronteira com a Ucrânia .

Em 21 de novembro, o secretário de imprensa do presidente da Federação Russa, Dmitry Peskov, destacou que o Ocidente está estimulando artificialmente a histeria com suas declarações sobre a suposta preparação da Rússia para um ataque à Ucrânia. Segundo ele, as provocações não estão descartadas e os países da Aliança do Atlântico Norte devem parar de “bombear a Ucrânia com armas modernas”.

Do Izvestia