Rossoni abre crise com Ministério Público e Tribunal de Justiça

Valdir Rossoni (PSDB).
Valdir Rossoni (PSDB).
A decisão do deputado Valdir Rossoni (PSDB), presidente da Assembleia Legislativa do Paraná, de não colocar em votação ontem (19), durante a última sessão de 2012, a criação de cargos em comissão para o Ministério Público (MP) e Tribunal de Justiça (TJ) abriu uma crise entre legislativo e judiciário.

O TJ esperava a aprovação de 25 cargos de desembargador e de 290 novos comissionados. O MP reivindicava a aprovação de 69 cargos em comissão.

O presidente do TJ, em entrevista ao jornal Gazeta do Povo, surpreso, se diz traído pelo presidente da Assembleia. Me sinto apunhalado pelas costas!, afirmou aos repórteres Karlos Kohlbach e Euclides Lucas Garcia.

Nos bastidores da Assembleia fala-se que a decisão de Rossoni seria troco! à s sentenças judiciais que cassaram seu filho (relembre) e nora (relembre) da prefeitura de Bituruna. O tucano nega qualquer motivação política. Ele garante que o objetivo era evitar votação de projetos no afogadilho!.

Demais deputados de todos os partidos se apressam a dizer que nada têm a ver com a decisão do presidente da Casa de não colocar a matéria em votação. “à‰ prerrogativa exclusiva do presidente”, eximem-se.

Outro projeto que deixou de ser votado, o que aumentava as custas judiciais, deixou os donos de cartório indignados, mas entidades como a Ordem dos Advogados do Brasil (OAB) e Federação as Indústrias do Paraná (Fiep) comemoraram.

O projeto previa reajustes de mais de 1000% para alguns serviços, o que certamente iria impactar nos custos da indústria e do comércio paranaenses. Custos esses que certamente acabariam repassados para o consumidor!, disse o presidente da Fiep, Edson Campagnolo.

Veja também  Delegado da Lava Jato é preso por suspeita de corrupção no Rio de Janeiro

Comments are closed.