Requião: "Não descarto filiação no PT para disputar o governo do Paraná" [vídeo]

Requião: “Não descarto filiação no PT para disputar o governo do Paraná” [vídeo]

O ex-governador e ex-senador Roberto Requião (sem partido) disse nesta quinta-feira (30/12) que não descarta se filiar no PT ao confirmar que irá concorrer ao governo do Paraná nas eleições de 2022. “Não descarto filiação no PT. Por que não? Eu também já recebi convites de diversos partidos, como PSB, PDT, PSOL e PCdoB”, lembrou, reafirmando sua disposição de lutar pelo Palácio Iguaçu.

Segundo Requião, ele vai se alistar em qualquer partido da federação nacional da esquerda –que poderá reunir PT, PSB, PCdoB, PV, PSOL e Rede, embora inda haja muitas incertezas no funcionamento dessa associação. “Por que não o PT?”, insistiu, indicando que realmente é caminho a ser considerado nos próximos dias.

“A federação seria um ótimo instrumento para a vitória e um governo de esquerda”, avaliou Requião, ao cobrar posições nacionalistas e desenvolvimentistas da cúpula do PT. Ele também espezinhou o nome de Geraldo Alckmin na vice de Lula. “O Deltan Dallangol também seria uma opção para o PT”, ironizou.

Requião participou no começo desta noite de entrevista na TV Esmael juntamente com os presidentes do PT no Paraná, deputado Arilson Chiorato, e do PCdoB do Paraná, o historiador Elton Barz.

“Seria uma honra para mim filiar o Requião no PT. Eu já que tenho no currículo a tarefa de desfiliar o Moro do PT”, afirmou Chiorato, ao recordar que o ex-juiz Sergio Moro (Podemos) tinha sido filiado no Partido dos Trabalhadores por hackers e ele foi ao TRE rasgar a ficha do moço da Lava Jato.

Ao comentar sobre a gestão do governador Ratinho Junior (PSD), Requião, Arilson e Elton foram uníssonos: “quem governo?”, questionaram.

“Se destacou o ‘nadismo’ no governo Ratinho, ou seja, ele não fez absolutamente nada. O povo não aguentaria mais quatro anos disso”, afirmou Elton Barz, do PCdoB. O dirigente vermelho ainda discorreu dos prazos para a constituição da federação partidária. Ele acredita que, no máximo, em fevereiro essa questão estará definitivamente resolvida.

Requião disse que “Ratinho faz um pequeno governo com grandes negócios” enquanto Arilson Chiorato, do PT, asseverou que “o governador é inexperiente e inexistente”, além de apontar o gargalo do pedágio e das tarifas caras de água e luz. “Ratinho não consegue organizar a fila do ferryboat [entre Matinhos e Guaratuba], como vai organizar o pedágio?“, disparou o petita.

Ao reafirmar sua pré-candidatura ao governo do Paraná –“por que não pelo PT?”, voltou a perguntar– Requião disse que ele tem uma “obrigação moral com os paranaenses” e por isso vai concorrer nas eleições do ano que vem.

Assista a íntegra da entrevista [Retrospectiva 2021]