Requião Filho fala ao microfone

Requião Filho: Paraná, um cenário eleitoral com livro aberto

Google News

Candidatos começam a pipocar aqui e ali, mas todos esperando a primeira traição.

Por Requião Filho*

Para “trair e coçar é só começar”, já dizia a peça teatral de Marcos Caruso. Da ficção para a realidade, a história tem cenas que se assemelham muito à realidade, com personagens envolvidos em conflitos internos e, diante de várias falhas de comunicação, imaginam isso ou aquilo, gerando uma avalanche de acontecimentos desastrosos.

O meio político paranaense parece viver situação similar, onde um aguarda a ação do outro, para trocar ou não de partido e aí dar sua cartada como candidato a isso ou aquilo. O jogo está aberto, como um livro de páginas rabiscadas sobre a mesa. Traços indicam a trajetória, riscos e marcas de borracha apontam erros que tentam ser “apagados” da memória do eleitor, e novos acordos vão sendo desenhados.

Diria que todo cuidado é pouco nesse momento e que o eleitor terá, novamente, o protagonismo em 2022, com a responsabilidade de eleger novamente o “mais do mesmo”, ou fazer uma substituição mais coerente e adequada à realidade. Pode ser a oportunidade de consertar os erros, ou continuar a cavar o mesmo buraco, com os mesmos personagens no poder.

Nas coxias, seguem os articuladores, os estrategistas políticos que correm contra o tempo para traçar todos os cenários possíveis, num jogo de amor e ódio, de acordos e traições, que vai aos poucos mostrando qual será o seu elenco. Apoia daqui, te ajudo dali, volta pra cá, que eu te sigo acolá. Basta saber se os velhos conchavos ficarão escancarados, diante de tantas mudanças de partido, ou ocultos atrás de máscaras dos mesmos grupinhos de sempre. Será que o eleitor vai conseguir enxergar essas tramóias? Ou no final, o que vale é a nova propaganda que todos vão fazer?

Veja também  Entrevista com Requião Filho: 'desvacinação' no PR; pedágio; privatizações; acompanhe ao vivo

Só quem já fez algo de bom um dia tem realmente alguma coisa boa para apresentar ao eleitor. Os mais atentos, saberão na hora certa e não se deixarão enganar pelos traidores. Dá pra voltar ao que um dia fez a diferença, corrigindo erros e apostando num futuro melhor. Mas essa decisão estará nas mãos dos atentos. Você está?

*Requião Filho, advogado, é deputado estadual pelo MDB do Paraná.