Requião chama Bolsonaro de “Judas Iscariotes” nas vésperas da Marcha para Jesus

O ex-senador Roberto Requião (PT), pré-candidato ao governo do Paraná, nas vésperas da Marcha para Jesus, disse que se nega a marchar ao lado de “Judas Iscariotes” no sábado (21/05). Sem citá-lo nominalmente, ele se referiu ao presidente cessante Jair Bolsonaro (PL), que desembarcará em Curitiba para a atividade religiosa-política.

– Sábado gostaria muito de participar da marcha com Jesus. Mas com o Judas Iscariotes marchando junto, eu não vou. Seria uma afronta ao Cristo – disparou Requião, que é cristão militante e discípulo do Papa Francisco.

Além de Requião, que se nega a marchar a seu lado, quem também está correndo de Bolsonaro é seu aliado Ratinho Junior (PSD).

O governador paranaense acredita que o inquilino do Palácio do Planalto atrapalha seu projeto de reeleição devido à rejeição entre os eleitores.

Quem foi Judas Iscariotes

De acordo com os evangelhos canônicos, Judas Iscariotes foi um dos doze apóstolos de Jesus Cristo, que veio a ser o traidor que vendeu o filho de Deus para os romanos por trinta moedas de prata.

Segundo os livros sagrados, Judas deu um beijo em Jesus para identifica-lo aos guardas que o procuravam para crucificá-lo.

Jesus foi preso no Monte das Oliveiras, levado aos sacerdotes e depois entregue ao governador romano Pôncio Pilatos e a Herodes.

Depois de açoitado lhe puseram a coroa de espinho e Jesus foi entregue para a crucificação.

Judas, ao ver Jesus condenado, se arrepende e se enforca no galho de uma figueira.

Veja também  Colunista do Globo compara Bolsonaro a um "touro" e Lula ao "matador" numa arena