Quem são os 100 "cabeças" do Congresso Nacional em 2021, segundo o DIAP

Quem são os 100 “cabeças” do Congresso Nacional em 2021, segundo o DIAP

O Departamento Intersindical de Assessoria Parlamentar (DIAP) divulgou a tradicional lista dos 100 “cabeças” do Congresso Nacional em 2021. Abaixo, você pode conferir nome a nome os mais influentes parlamentares do País.

Antes de ir aos nomes dos cem cabeças –não confundir com “sem” cabeças– dois esclarecimentos são necessários: a escolha dos parlamentares mais influentes foi impactada por dois episódios, ambos decorrentes da Pandemia, que levou ao isolamento social.

O primeiro foi a adoção do sistema remoto de deliberação, que dificulta identificar os parlamentares mais presentes nas articulações e negociações, já que estas ficam muito restritas aos líderes e relatores nesse período. O segundo foi o início da instalação das comissões permanentes da Câmara dos Deputados, em meados de março, que se estendendo até abril.

O Paraná aparece na lista com Alvaro Dias (Podemos), Enio Verri (PT-PR), Gleisi Hoffmann (PT-PR), Gustavo Fruet (PDT-PR), Luisa Canziani (PTB-PR), Ricardo Barros (PP-PR) e Rubens Bueno (Cidadania-PR). Em ascensão, segundo o DIAP, estão Pedro Lupion (DEM-PR) e Sérgio Souza (MDB).

Entre os 100 parlamentares “cabeças” que comandam o processo decisório no Congresso, 66 são deputados e 34 são senadores.

Confira a lista com os 100 “cabeças” do Congresso Nacional em 2021, segundo o DIAP.

(Os parlamentares em negrito e caixa alta são os novos em “ascensão” 2021)

100 “CABEÇAS” DO CONGRESSO NACIONAL 2021

POR ORDEM ALFABÉTICA

  • Aécio Neves (PSDB-MG)
  • Afonso Florence (PT-BA)
  • Afonso Motta (PDT-RS)
  • Aguinaldo Ribeiro (PP-PB)
  • Alessandro Molon (PSB-RJ)
  • ALESSANDRO VIEIRA (Cidadania-SE)
  • ALEX MANENTE (Cidadania-SP)
  • Alexandre Padilha (PT-SP)
  • Alice Portugal (PCdoB-BA)
  • Alvaro Dias (Podemos-PR)
  • André Figueiredo (PDT-CE)
  • Antonio Anastasia (PSD-MG)
  • ANTONIO BRITO (PSD-BA)
  • Arlindo Chinaglia (PT-SP)
  • Arnaldo Jardim (Cidadania-SP)
  • Arthur Lira (PP-AL)
  • ARTHUR OLIVEIRA MAIA (DEM-BA)
  • Baleia Rossi (MDB-SP)
  • BOHN GASS (PT-RS)
  • CACÁ LEÃO (PP-BA)
  • Carlos Zarattini (PT-SP)
  • Cid Gomes (PDT-CE)
  • Ciro Nogueira (PP-PI)
  • Daniel Almeida (PCdoB-BA)
  • Daniella Ribeiro (PP-PB)
  • Danilo Cabral (PSB-PE)
  • Davi Alcolumbre (DEM-AP)
  • Eduardo Bolsonaro (PSL-SP)
  • Eduardo Braga (MDB-AM)
  • Eduardo Gomes (MDB-TO)
  • Efraim Filho (DEM-PB)
  • ELIZIANE GAMA (Cidadania-MA)
  • Enio Verri (PT-PR)
  • Erika Kokay (PT-DF)
  • Fábio Trad (PSD-MS)
  • Fernanda Melchionna (PSol-RS)
  • Fernando Bezerra Coelho (MDB-PE)
  • Fernando Coelho Filho (DEM-PE)
  • Flávio Bolsonaro (Patriota-RJ)
  • Gleisi Hoffmann (PT-PR)
  • Gustavo Fruet (PDT-PR)
  • Hugo Motta (Republicanos-PB)
  • Humberto Costa (PT-PE)
  • ISNALDO BULHÕES JR (MDB-AL)
  • Ivan Valente (PSol-SP)
  • IZALCI LUCAS (PSDB-DF)
  • Jandira Feghali (PCdoB-RJ)
  • Jaques Wagner (PT-BA)
  • JEAN PAUL PRATES (PT-RN)
  • José Guimarães (PT-CE)
  • José Serra (PSDB-SP)
  • KÁTIA ABREU (PP-TO)
  • Kim Kataguiri (DEM-SP)
  • Laercio Oliveira (PP-SE)
  • Lincoln Portela (PL-MG)
  • Luciano Bivar (PSL-PE)
  • LUISA CANZIANI (PTB-PR)
  • LUIZ CARLOS MOTTA (PL-SP)
  • Luiza Erundina (PSol-SP)
  • Marcelo Freixo (PSB-RJ)
  • Marcelo Ramos (PL-AM)
  • Marcos Pereira (Republicanos-SP)
  • Marcos Rogério (DEM-RO)
  • MARGARETE COELHO (PP-PI)
  • NELSINHO TRAD (PSD-MS)
  • Omar Aziz (PSD-AM)
  • Orlando Silva (PCdoB-SP)
  • Otto Alencar (PSD-BA)
  • Paulo Abi-Ackel (PSDB-MG)
  • Paulo Paim (PT-RS)
  • Paulo Pereira da Silva (Solidariedade-SP)
  • Paulo Pimenta (PT-RS)
  • PAULO ROCHA (PT-PA)
  • Paulo Teixeira (PT-SP)
  • Perpétua Almeida (PCdoB-AC)
  • PROFESSOR ISRAEL BATISTA (PV-DF)
  • Professora Dorinha Seabra Rezende (DEM-TO)
  • Randolfe Rodrigues (REDE-AP)
  • Renan Calheiros (MDB-AL)
  • Renildo Calheiros (PCdoB-PE)
  • Ricardo Barros (PP-PR)
  • Roberto Rocha (PSDB-MA)
  • RODRIGO DE CASTRO (PSDB-MG)
  • Rodrigo Maia (DEM-RJ)
  • Rodrigo Pacheco (DEM-MG)
  • Rogério Carvalho (PT-SE)
  • Rubens Bueno (Cidadania-PR)
  • Sérgio Petecão (PSD-AC)
  • Silvio Costa Filho (Republicanos-PE)
  • Simone Tebet (MDB-MS)
  • Tabata Amaral (PDT-SP)
  • Tadeu Alencar (PSB-PE)
  • TALÍRIA PETRONE (PSol-RJ)
  • Tasso Jereissati (PSDB-CE)
  • Veneziano Vital do Rêgo (MDB-PB)
  • VINICIUS POIT (Novo-SP)
  • Vitor Hugo (PSL-GO)
  • Wellington Roberto (PL-PB)
  • Weverton Rocha (PDT-MA)
  • Wolney Queiroz (PDT-PE)

O que é DIAP

O DIAP é o DEPARTAMENTO INTERSINDICAL DE ASSESSORlA PARLAMENTAR, fundado em 19 de dezembro de 1983, estruturado para atuar nos Poderes da República, em especial no Congresso Nacional e, excepcionalmente, nas assembleias legislativas e câmaras de vereadores, no sentido da institucionalização, da transformação em normas legais das reivindicações predominantes, majoritárias e consensuais da classe trabalhadora. É um instrumento dos trabalhadores que foi idealizado pelo advogado trabalhista Ulisses Riedel de Resende, atual Diretor-Técnico da entidade.

Como é constituído o DIAP

É constituído, hoje, por cerca de 900 entidades sindicais de trabalhadores congregando centrais, confederações, federações, sindicatos e associações distribuídas em todos os estados do País, das quais 90 são de Brasília.

Quem comanda o DIAP

O comando político-sindical do DIAP é exercido pelas entidades filiadas, que constituem a Assembleia Geral, e se reúnem periodicamente na forma estatutária. A sua diretoria, por igual, é constituída por dirigentes sindicais.

Leia também

Por que Jair Renan, filho do presidente Bolsonaro, está bombando nas redes sociais

Requião ‘desenha’ e põe fim à falsa polêmica do ICMS no preço abusivo da gasolina

Forças americanas destroem base da CIA em detonação controlada no Afeganistão