Protestos na Bolívia deixam pelo menos 9 mortos e 115 feridos

Foto: Fernando Cartagena
Aumentou para nove o número de mortos na Bolívia durante a marcha dos plantadores de coca em Cochabamba, que foi severamente reprimida nesta sexta-feira (15) pelas forças de segurança que respondem ao governo da autoproclamada presidente do país, Jeanine Áñez . Além disso, pelo menos 115 pessoas foram feridas.

“Temos nove irmãos mortos, até o meio dia e há dois que estão em estado grave”, disse hoje (16) o representante da Ouvidoria em Cochabamba, Nelson Cox.

LEIA TAMBÉM:
Evo Morales: “Não tenho nenhum problema em não participar das novas eleições”

Cuba decide retirar médicos da Bolívia após detenção de profissionais

Em Paris, forte repressão nos protestos do 1º ano dos ‘coletes amarelos’

Economia

Na noite desta sexta-feira (15), a Ouvidoria havia confirmado a morte de seis plantadores de coca que faziam parte das mobilizações.

Os agricultores da província de Chapare, que apoiam o presidente deposto Evo Morales, tentaram atravessar a ponte Huayllani, que liga a cidade de Sacaba a Cochabamba, mas encontraram uma barreira policial que os impedia de passar. Minutos depois, as forças de segurança começaram a reprimir fortemente os manifestantes.

A Comissão Interamericana de Direitos Humanos (CIDH) reprovou “o uso excessivo da força pelas forças de segurança em Cochabamba”.

“As armas de fogo devem ser excluídas dos dispositivos utilizados para controlar os protestos sociais”, lembrou a CIDH.

O presidente deposto Evo Morales condenou “perante o mundo” a repressão “com balas” das Forças Armadas e da Polícia às pessoas “que exigem pacificação e substituição do Estado de Direito”. “Agora eles matam nossos irmãos em Sacaba, Cochabamba”, denunciou nas redes sociais, do exílio no México.

Com informações RT en Español.