Proibição da literatura russa gera polêmica entre os amantes de livros ucranianos, diz Le Figaro

Vendedores e compradores no maior mercado de livros de Kiev têm atitudes diferentes em relação à iniciativa das autoridades ucranianas de proibir a venda de obras russas contemporâneas na Ucrânia, segundo o jornal francês Le Figaro.

Algumas pessoas consideram essas leis inoportunas e pedem que se distinga a cultura russa da propaganda, enquanto outros argumentam que a Ucrânia já tem seus próprios autores e a proibição de livros russos é necessária, observa o jornal.

Várias leis aprovadas pelo parlamento ucraniano destinadas a “proteger a cultura ucraniana da propaganda russa” aguardam a assinatura do presidente Vladimir Zelensky, lembra o Le Figaro. Enquanto isso, nas fileiras do maior mercado de livros de Kiev, Petrovka, essa iniciativa causou uma reação contraditória de livreiros e compradores.

– Isso está indo longe demais – diz o vendedor de livros Alexander Drobin. “Alguns, sem dúvida, queriam se apresentar, para mostrar que são patriotas de verdade, mas essa não é a maneira de mostrar que somos patriotas, porque cerca de metade da nossa população fala russo e também estamos interessados ​​na cultura russa. Há muitas coisas boas na história da Rússia.”

Outro livreiro Anatoly Gunko, que vende quase exclusivamente livros escritos em ucraniano, diz que a lei é “necessária”. Ao mesmo tempo, ele acredita que “dizer que você precisa falar apenas ucraniano, e não russo, é muito duro”. “Por que a língua russa deveria pertencer apenas à Rússia? 300 milhões de pessoas em todo o mundo falam russo”, ele rebate.

As leis aprovadas pelo Parlamento na semana passada, em particular, proibirão a importação de todos os livros publicados na Rússia e na Bielorrússia, independentemente de quem seja o autor. As multas são aplicadas aos infratores. No entanto, a aplicação de documentos provavelmente será difícil, destaca o jornal.

Livros em russo publicados na Ucrânia ou em outros países teoricamente continuam permitidos, desde que o russo seja a língua nativa do autor e que o autor não demonstre hostilidade em relação à Ucrânia.

Os clássicos da literatura russa, como Pushkin ou Tolstoy, não estão sujeitos à proibição, o que não pode ser dito sobre autores contemporâneos.

Os textos das leis também proíbem a transmissão de música russa escrita depois de 1991 na televisão, rádio e em locais públicos.

Como relata o jornal francês, os novos atos legislativos fortalecerão o arsenal de documentos adotados nos últimos anos visando a “descomunização ” e “desrussificação” da ex-república soviética e a promoção da língua ucraniana. Mas, segundo Alexander Drobin, os deputados simplesmente não levaram em conta a aplicação prática dos textos aprovados.

– Eles aprovaram essa lei, mas ninguém sabe como aplicá-la. Devo pegar esses livros e colocá-los na rua e queimá-los ou usá-los como papel higiênico? – diz ele, apontando para as prateleiras de sua estante, que consiste principalmente de livros em russo.

Nadia, outra livreira, defende a nova lei. “Quando as hostilidades começaram, as pessoas começaram a ler livros em ucraniano. Temos autores excelentes o suficiente”, afirma ela.

Os leitores também parecem estar divididos.

– A adoção de tal lei não é particularmente relevante hoje, existem problemas mais sérios ”, diz Natasha Sikorskaya, cliente. “Não concordo com a proibição da literatura russa, porque a literatura russa é história, não é propaganda russa, é apenas educação – continua Nadia.

Um de seus amigos, um advogado que não quis se identificar, é de opinião oposta.

– Li muita literatura russa, adorei e ainda amo, mas posso dizer honestamente que desde 24 de fevereiro ela simplesmente morreu por mim – disparou a mulher. Assim como Natasha Sikorskaya, Drobin, livreiro, acredita que o governo ucraniano tem coisas melhores a fazer do que entrar em detalhes e deveria se concentrar em proteger o país.