Professor diz que levou “safanões” em protesto no Palácio Iguaçu

Google News

Professor Douglas Rezende.
O professor de História Douglas Rezende enviou um e-mail ao blog denunciando que ontem, durante a marcha da categoria, levou uns safanões da segurança do Palácio Iguaçu. Segundo relato dele, que estava documentando a manifestação, o chefe da segurança lhe passou uma rasteira lançando-o ao chão.

Tira a câmera dele, tira a câmera dele…!, teria gritado o segurança.

“Os meus gritos tinham chamado a atenção dos dirigentes no caminhão de som. Saí correndo atordoado, com braço esquerdo sangrando e a perna esquerda machucada”, relatou o professor de História.

Leia a íntegra da denúncia do professor Douglas Rezende:

“Venho através desta informar aos meus irmãos e irmãs, amigos e amigas da profissão PROFESSOR no Estado do Paraná, o fato lamentável e grotesco ocorrido em nossa mobilização do dia 15/03/02.

Sou o Professor Douglas Rezende, professor historiador e fotodocumentarista.

Após o término de nossa caminhada até o Palácio Iguaçú, subi a rampa e comecei a fazer fotos do local, do prédio e do que estava em seu contexto, quando o chefe da segurança presente perguntou-me: quem é você ?! Respondi que era professor, que pertencia a educação no Paraná e continuei a clicar. Voltei até o início da rampa para fotografar a chegada dos professores e percebi que os seguranças tentavam fazer um cordão de isolamento, impedindo que os professores alcançassem o prédio.

Foi neste exato momento que o caminhão de som terminou de subir a rua e ficou de frente ao Palácio, os dirigentes no caminhão de som chegaram a comentar a situação de aparente! isolamento do Palácio pelos seguranças ao microfone, meio que não acreditando que o governo faria este tipo de coisa, então, calmamente os professores que estavam mais à  frente ignoraram os seguranças e foram subindo a rampa com estes nas escadas observando, completamente perdidos, em uma total indecisão de barrar ou não aquele povo todo subindo calmamente as escadas até a entrada do prédio.

Veja também  Apesar da oposição de Bolsonaro, STF vai julgar hoje obrigatoriedade da vacina contra Covid-19

Fui um dos primeiros a chegar à  lateral do prédio, continuei a fotografar, agora com muito mais gente seguindo um pouco atras de mim. Neste momento, o chefe da segurança e pelo menos mais 2 seguranças vieram ao meu encontro, o chefe à  direita, os outros pela esquerda, não parei de clicar a máquina, então o chefe me passou uma rasteira!, me lançou ao chão e disse para os outros: Tira a câmera dele, tira a câmera dele…!, no susto, percebi que o caminhão de som estava próximo e gritei desesperado para que os dirigentes da APP estadual vissem o que estava acontecendo. Os seguranças e o chefe acabaram me largando ao perceberem que não tomariam minha câmera sem pouco esforço e que meus gritos tinham chamado a atenção dos dirigentes no caminhão de som. Saí correndo atordoado, com braço esquerdo sangrando e a perna esquerda machucada.

Tive escoriações no braço e perna, me senti humilhado sendo professor e tratado como um marginal pelos seguranças do governo na frente de milhares de pessoas, isto porque eu estava ali DEFENDENDO A EFETIVIDADE DE UM DIREITO Jà ESTABELECIDO EM LEI !!!

Se é para jogar ao chão um Fora da lei! os seguranças deveriam jogar ao chão o governador do Paraná, Beto Richa, que não está cumprindo a Lei do Piso e dos 33% de hora atividade aos professores, não um professor que tem dedicado seus últimos 8 anos de vida à  educação pública do Paraná.

Hoje à  noite o Secretário de educação Flávio Arns veio à  Televisão Educativa do Paraná falar em um jornal em que NàƒO FOI VINCULADA NENHUMA IMAGEM DE NOSSA MOBILIZAà‡àƒO NESTE DIA 15/03 EM QUE MAIS DE 7000 PROFESSORES ESTAVAM PRESENTES INCLUSIVE COM O MOTE GREVE! SENDO PALAVRA DE ORDEM PARA A MAIORIA. Arns afirmou que a educação no Paraná volta a ser uma carreira atrativa! e que quer resolver tudo no diálogo!, na busca de ações conjuntas! para enfrentar os problemas da educação em nosso Estado.

Veja também  Gilmar Mendes pauta para hoje suspeição de Sergio Moro na 2ª Turma do STF

Meu exame de Corpo de Delito e o Boletim de Ocorrência expressam outras palavras do governador Beto Richa e de seu Vice Flávio Arns, palavras que apenas podem ser lidas nas entrelinhas, e que de forma alguma parecem ter relação com as palavras bonitas ditas à  cima. Quanto a carreira voltar a ser atrativa, mais de 7000 professores presentes neste protesto só em Curitiba, é a resposta.”

Comments are closed.