Porra, Guedes, não dá para reduzir o auxílio emergencial a R$ 300

Google News

O ministro da Economia, Paulo Guedes, tal qual o vendedor de óleo de capivara, afirmou nesta quinta-feira (26) à noite que o governo vai reduzir o auxílio emergencial em mais três parcelas decrescentes de R$ 500, R$ 400 e R$ 300.

Ao reduzir o já minguado auxílio emergencial, o ministro da Economia joga contra a ideia de injetar dinheiro na economia para sairmos da depressão econômica, estimular o consumo, o emprego e a produção.

Pela lógica de Guedes, a redução do auxílio emergencial ajudaria o tesouro a reforçar o superávit primário para o pagamento de juros e amortizações da dívida pública, qual seja, aumentar a concentração do dinheiro nas mãos dos bancos.

A pandemia, Guedes, se combate com desenvolvimento e dinheiro para as pessoas ficaram em casa –quando possível.

Se o presidente Jair Bolsonaro (sem partido) delegou a economia para seu “Posto Ipiranga”, isto é, para Guedes, a política ficou a cargo de seu guru ideológico Olavo de Carvalho, que ontem emplacou o ministro Carlos Decotelli como substituto de Abraham Weintraub no Ministério da Educação (MEC).

Bolsonaro não manda nada. Contenta-se com a figura de bobalhão da República, que vende o almoço para comprar a janta. É um lúmpen-presidente apoiado pelo lúmpen-empresariado, alguns lúmpens-congressistas e lúmpens-eleitores. Eles, em comum, não têm uma visão de nação nem perspectiva coletiva.

Afinal, o que seria um lúmpen?

Pela filosofia marxista, são pessoas desprovidas de consciência política e de classe, sendo, portanto, suscetíveis de servir aos interesses da burguesia [paulistana] –a classe social que comanda a superestrutura.

Karl Marx e Friedrich Engels, em A Ideologia alemã (1845), explicam que lúmpens são aqueles que nada contribuem para a produção, dedicados a atividades marginais, como prostitutas, ladrões, etc. Hoje, poderíamos acrescer os especuladores e aproveitadores do erário.

Após essa divagação, Guedes, porra, não dá para concordar com a redução do auxílio emergencial para R$ 300.

LEIA TAMBÉM
Rodrigo Maia apoia prorrogação de auxílio emergencial de R$ 600

Bolsonaro pede que devolvam auxílio emergencial recebido indevidamente; veja se você precisará devolver

Em vídeo, Gleisi pede prorrogação do auxílio emergencial de R$ 600 por um ano

Pedidos de seguro-desemprego disparam 35% na primeira quinzena de junho

Datafolha diz que prisão de Queiroz não abalou aprovação de Bolsonaro

O instituto Datafolha garante que os eleitores de Jair Bolsonaro (sem partido) não se abalaram com a prisão do ex-assessor Fabrício Queiroz, há uma semana, e a aprovação do presidente segue estável com 32%.

Segundo a pesquisa divulgada nesta sexta-feira (26), se 32% consideram Bolsonaro bom ou ótimo, 44% o rejeitam e 23%, regular. Para 46% dos entrevistados, nunca é possível confiar nas afirmações do presidente da República. Ou seja, o “fio do bigode” de Bolsonaro não pode ser levado a sério.

Bolsonaro não inspira muita confiança. São 46% os que dizem nunca confiar, 20% que sempre confiam e 32%, aqueles que o fazem às vezes.

Apesar de mostrar estabilidade na popularidade do presidente, o instituto avalia que o caso Queiroz tem grande potencial destrutivo para Bolsonaro.

A aprovação de Bolsonaro cai para 15% entre aqueles que acham que o presidente sabia onde Queiroz se escondia até ser preso no dia 18.

Com 44% de rejeição, Jair Bolsonaro é o presidente com maior rejeição em seu primeiro mandato desde a redemocratização e a volta das eleições direitas em 1989.

O Datafolha afirma que ouviu 2.016 pessoas por telefone nos dias 23 e 24 de junho. A margem de erro é de dois pontos percentuais.