Polícia “petista” quer contrapor-se ao bolsonarismo na segurança pública

O jornal carioca O Globo conta que policiais ligados ao PT pedem diálogo ao ex-presidente Lula para conter adesão ao presidente cessante Jair Bolsonaro.

De acordo com o jornalão, o temor da polícia “petista” é que a falta de diálogo com os agentes empurre as corporações [policiais militares, civis, bombeiros e penais] ainda mais para o colo do bolsonarismo.

Em Porto Alegre, há duas semanas, Lula recebeu representantes de sindicatos policiais e do setorial de segurança pública da legenda por cerca de 15 minutos. Ouviu deles um apelo: cuidado especial na comunicação para os policiais.

Também não é de somenos um alerta que veio do jornal americano New York Times, no domingo (13/06): algumas autoridades americanas estão mais preocupadas com os cerca de meio milhão de policiais em todo o Brasil do que com questionamentos às urnas eletrônicas pelas forças armadas – aliadas a Bolsonaro.

O Globo corrobora a preocupação do NYT citando o vereador do PT de Porto Alegre Leonel Radde, policial civil antifascista, presente no encontro com Lula. Radde diz temer que as corporações vivam episódios de insubordinação em um eventual novo governo petista.

O vereador antifascista lembra que Bolsonaro desde o início do mandato vem açulado as forças policiais contra Lula e o PT.

Em novembro de 2020, o Blog do Esmael entrevistou Radde – então vereador eleito – sobre racismo, fascismo, neoliberalismo, eleições, e a necessidade de os porto-alegrenses barrarem o avanço do conservadorismo e do bolsonarismo.

A presidente nacional do PT, deputada Gleisi Hoffmann (PR), disse que o ex-presidente Lula irá realizar uma reunião aberta com os policiais no mesmo molde dos encontros religiosos.

Veja também  Gleisi Hoffmann vê "tapetão" no Supremo Tribunal Federal