PIB do Brasil deve encolher 5% em 2020, aponta o Banco Mundial

O Produto Interno Bruto (PIB) do Brasil pode 5% em 2020, segundo uma projeção do Banco Mundial publicada neste domingo (12/04).

A previsão está no relatório “A economia nos tempos da Covid-19”, que aborda os impactos da pandemia do Coronavírus na América Latina e no Caribe.

Se for confirmada, será a maior retração desde 1962, quando teve início a série histórica disponibilizada pelo Banco Central. A retração seria maior até do que a de 1981, a pior da série, quando o PIB brasileiro teve queda de 4,39%.

Para a região como um todo, incluindo os países caribenhos, a previsão do Banco Mundial é de uma retração de 4,6% em 2020. Dos 26 países analisados no relatório, apenas dois (Guiana e República Dominicana) não tem previsão de entrar em recessão em 2020.

Como se pode ver, o Brasil deve sofrer uma recessão pior do que a média da região para o período O fato é que a economia brasileira já estava devagar antes da pandemia. A crise mundial causada pela doença só piorou a situação.

LEIA TAMBÉM
Brasil soma 1.223 mortes e 22.169 casos confirmados de Coronavírus em 12/04

Bolsonaro posta mais um vídeo contra o isolamento na pandemia

Revista alemã põe respirador na Estátua da Liberdade; ‘Véio da Havan’ fica indignado

Entre as razoes para a queda, o Banco Mundial aponta que a pandemia de coronavírus está diminuindo a demanda da China e dos países do G7 está caindo drasticamente, afetando exportadores de commodities na América do Sul e exportadores de bens e serviços manufaturados na América Central e no Caribe.

“Precisamos ajudar as pessoas a enfrentar esses enormes desafios e garantir que os mercados financeiros e os empregadores possam enfrentar a tempestade”, disse Humberto López, vice-presidente interino do Banco Mundial para a região da América Latina e Caribe. “Isso significa limitar os danos e lançar as bases para a recuperação o mais rápido possível.”

Veja também  Biden joga pá de cal em Trump: "nós vamos ganhar essa eleição"

Com informações da DW.