covaxin bolsonaro

Para Bolsonaro, 7 bandidos da CPI estão tentando tirar ele da presidência da República

O presidente Jair Bolsonaro (sem partido) sentiu na nuca nesta quarta-feira (30/6), em visita a Ponta Porã (MS), o bafo quente da CPI da Covid no Senado que investiga o governo federal no combate à pandemia do novo coronavírus.

Ao invés de esclarecer denúncias que pesam contra seu governo, Bolsonaro atacou a comissão de investigação xingando de “bandidos” os principais integrantes do colegiado.

“Não conseguem nos atingir. Não vai ser com mentiras ou com CPI integrada por 7 bandidos que vão nos tirar daqui”, disparou o presidente.

No sábado (26/6), no passeio de moto, em Chapecó (SC), Bolsonaro já havia chamando de “pilantras” os senadores da CPI.

Leia também

MPF do DF investiga Covaxin

O 11º Ofício de Combate ao Crime e à Improbidade Administrativa da Procuradoria da República do Distrito Federal, nesta quarta, abriu uma investigação criminal sobre as negociações para aquisição da vacina indiana Covaxin.

Além do MPF do DF, a Polícia Federal comunicou que abriu um inquérito para investigar as negociações da Precisa Medicamentos, representante da Covaxin, com o Ministério da Saúde.

Nesta quinta, 1º de julho, o sócio da Precisa, Francisco Maximiliano, será ouvido pela CPI da Covid.

MPF e PF irão investigar a denúncia do deputado Luis Miranda (DEM-RJ), que, em depoimento à comissão, disse que Bolsonaro sabia do esquema de corrupção no governo e declinou o nome do líder Ricardo Barros (PP-PR) como chefe do propinoduto. O parlamentar paranaense negou as acusações e se colocou à disposição da CPI. Ele vai depor na quinta, dia 8.