Pachecão entra no aquecimento: ‘voto impresso não passa no Senado’

Virtual “primeiro” na linha sucessória, caso a chapa Bolsonaro e Mourão seja cassada pelo TSE, o presidente do Senado, Rodrigo Pacheco (DEM-MG), garantiu que o voto impresso não passa na Casa.

“Todo aquele que pregar retrocesso ao sistema eleitoral brasileiro será apontado pelo povo e pela história como inimigo da nação”, afirmou Pachecão à GloboNews sobre discussão do voto impresso.

O “primeiro” na linha sucessória disse ainda que o distritão não tem apoio do Senado e atesta: “A maioria dos parlamentares compreende que o sistema eletrônico é confiável.”

Leia também
‘Filho de uma puta do Barroso’, xinga Bolsonaro em vídeo; assista

Em nota, CPI da Pandemia apoia Fux e se solidariza com ministros atacados por Bolsonaro

Cada vez menos candidato, Bolsonaro ameaça Moraes dizendo que ‘a hora dele vai chegar’

Na noite de quinta-feira (05/08), a comissão especial da Câmara rejeitou por 23 votos a 11 a volta do voto impresso no País.

Segundo Pachecão, no aquecimento, pronto para assumir o cargo de Presidente da República, se for convocado, “nem o presidente da República pode agredir a Suprema Corte”, declarou ao se referir aos ataques do presidente Jair Bolsonaro (sem partido) aos ministros do Supremo Tribunal Federal (STF).

Depois de Pacheco, o próximo na linha sucessória presidencial seria o presidente do Supremo Tribunal Federal, Luiz Fux.

Sobre a linha sucessória

De acordo com o art. 79, § 1º, da Constituição, o deputado Arthur Lira (PP-AL), seria o primeiro na linha sucessória, no entanto, ele estaria impedido de assumir interinamente o Palácio do Planalto porque é réu em dois processos no Supremo Tribunal Federal (STF).

Há, porém, controvérsia sobre a linha sucessória, caso a chapa Bolsonaro-Mourão seja cassada pelo Tribunal Superior Eleitoral. Muitos juristas acreditam que o impedimento de Lira só seria possível com o trânsito em julgado das ações penais.

O parlamentar é investigado pelos crimes de corrupção passiva e organização criminosa, mas os inquéritos ainda aguardam julgamento de recursos.