Operação no Rio prende mais 2 acusados de participar no assassinato de Marielle Franco

A Operação Tânato, Polícia Civil e o Ministério Público do Rio de Janeiro (MPRJ), prendeu na manhã desta terça-feira (30) os irmãos Leandro e Leonardo Gouvêa da Silva –o Tonhão e o Mad– acusados de chefiar o escritório do Crime. Eles teriam, também, participado do assassinato da vereadora Marielle Franco.

Tânato, na mitologia grega, significa deus da morte. É um jovem que personifica a morte, filho da noite (Nix) e da escuridão (Érebo), que são filhos do caos.

Segundo os investigadores do MP do Rio, o grupo é formado por policiais, ex-policiais e milicianos é investigado por uma série de homicídios.

Foram alvos da operação:

  • Anderson de Souza Oliveira, o Mugão;
  • Leandro Gouveia da Silva, o Tonhão (preso);
  • Leonardo Gouveia da Silva, o Mad ou Paraíba (preso);
  • João Luiz da Silva, o Gago

O MPRJ afirma que os denunciados possuíam ligação estreita com Adriano Magalhães da Nóbrega, o Capitão Adriano, morto em confronto com a polícia em fevereiro deste ano, na Bahia.

A Polícia Civil afirma que Mad assumiu o comando do Escritório do Crime com a morte de Adriano.

O juiz Bruno Rulière, da 1ª Vara Criminal Especializada do Tribunal de Justiça do RJ, expediu ao todo quatro mandados de prisão e 20 de busca e apreensão.

Segundo as investigações, pistoleiros da quadrilha praticam execuções por encomenda há mais de 10 anos.

Numa das denúncias apresentadas, o MP descreve que na atuação do grupo criminoso há emprego ostensivo de armas de fogo de grosso calibre. “A agressividade e destreza nas ações finais revelam um padrão de execução”, descreve o MPRJ.

“Fortemente armados e com trajes que impedem identificação visual, tais como balaclava e roupas camufladas, os atiradores desembarcam do veículo e progridem até o alvo executando-o sem chances de defesa”, emendam os promotores.Leonardo, o Mad ou Paraíba, estava em casa, uma mansão em Vila Valqueire, na Zona Oeste do Rio.

Veja também  O que você precisa saber dos bastidores da política nesta terça-feira dia 24 de agosto de 2021

Um terceiro homem, que não era alvo da Operação Tânatos mas tinha um mandado de prisão por homicídio, estava na casa de Tonhão e foi preso.

LEIA TAMBÉM

PF cumpre mandados contra advogados, magistrados e empresários em Goiás

Por determinação do Superior Tribunal de Justiça (STJ), a Polícia Federal cumpre na manhã desta terça-feira (30) 17 mandados de busca e apreensão contra advogados, juízes e empresários suspeitos de crimes, em Goiás. Os alvos são suspeitos de “negociação criminosa” em ações relacionadas ao processo de recuperação judicial de uma grande empresa.

O ministro relator do processo, Campbell Marques, determinou o sigilo dos autos. Portanto, os nomes dos alvos e da empresa em questão não foram divulgados.

Os mandados, determinados a partir de requerimento do Ministério Público Federal (MPF), são cumpridos em endereços públicos e privados dos investigados. O intuito é coletar mais provas que comprovem as ações criminosas.

Tudo que for apreendido passará por perícia do MPF e da PF. Posteriormente, haverá a análise da necessidade ou não de novas diligências.