O recado de Bolsonaro para Ciro Gomes após a ação da PF

O recado de Bolsonaro para Ciro Gomes após a ação da PF

O presidente Jair Bolsonaro (PL) usou a live de quinta-feira (16/12) para mandar um recado para o ex-ministro Ciro Gomes (PDT), pré-candidato ao Palácio do Planalto, e o irmão ele, ex-governador do Ceará e atual senador Cid Gomes (PDT-CE).

“Para avisar aquela dupla do Ceará que vive metendo o dedo na cara de todo mundo, (falando) que todo mundo é ladrão. Tiveram uma visita no dia de ontem. Estão me acusando. Eu não tenho como interferir na PF, não existe isso aí. Essa operação começou em 2017, não foi comigo”, jurou Bolsonaro.

Na quarta-feira (15/12), a Polícia Federal cumpriu mandados de busca e apreensão para apurar um suposto esquema de corrupção envolvendo as obras da Arena Castelão, que passou por uma reforma para a Copa de 2014. Ao autorizar as buscas, a 32ª Vara da Justiça Federal do Ceará também determinou a quebra do sigilo bancário, fiscal e telefônico de Ciro e Cid Gomes.

Lula tem 59% contra 30% de Bolsonaro no segundo turno, diz Datafolha

Datafolha: Lula 48%, Bolsonaro 22%, Moro 9% e Ciro 7%; petista vence no primeiro turno, diz pesquisa

Os reflexos dessa ação policial contra Ciro e seu irmão, no Ceará, repercutiu na política. Aliados do pedetistas usam a investigação como pretexto para pedir a desistência do ex-ministro da corrida presidencial.

Nas pesquisas de intenção de voto, Ciro Gomes, em viés de baixa, aparece atrás do ex-juiz suspeito Sergio Moro (Podemos) em um cenário que o ex-presidente Lula vence já no primeiro turno.

A maioria da bancada do PDT no Congresso defende que o partido se associe à federação partidária liderada pelo PT, que ainda poderá ter PSB, PCdoB, PSOL e PV.

Em vários estados, na prática, o PDT nacional liberou os pré-candidatos a governos para subirem no palanque de Lula –independentemente de Ciro.