O que esperar de Roberto Requião, pré-candidato ao governo do Paraná? Ouça o áudio

► Requião declarou que é pré-candidato de um movimento de salvação do Paraná e reconstrução do Estado

O ex-senador Roberto Requião, pré-candidato ao governo do Paraná por um movimento plural e suprapartidário, em entrevista ao programa Conexão, na rádio Ilha do Mel FM, de Paranaguá, deu pistas do que os eleitores paranaenses podem esperar dele durante a campanha pela volta ao Palácio Iguaçu pela quarta fez. Abaixo ouça a íntegra do áudio.

Requião disse que é pré-candidato porque está “horrorizado” com o que está acontecendo com a família do Paraná, que no fim do mês não sabe se paga a conta de água e energia elétrica ou compra comida para pôr na mesa, dilemas de pessoas que estão empregadas e muito mais de quem está desempregado.

– Eu estou pensando aqui do fundo da minha alma, se eleito, eu coloco todos os diretores e os presidentes da Sanepar e da Copel na rua. Eu coloco essas empresas a trabalharem para o povo e não para o grupo de acionistas que nem sabe onde fica o Paraná – disse. “Tem outro jeito, eu já fiz isso.”

Requião repetiu que a cadeira de governador do Paraná está vaga há quatro anos.

Segundo ele, Ratinho Junior (PSD) não faz nada durante esse período e disse que o governador cessante não tem amor no coração, não tem fraternidade.

O pré-candidato denunciou na entrevista uma “farra” de R$ 161 milhões, com dinheiro público, para fazer propaganda de um governo que nada faz pelo povo pobre. “Mas vai ter um momento que teremos o horário eleitoral”, disse Requião – a partir de 16 de agosto.

– Minha voz está sendo calada no Paraná. Estou sendo censurado pela mídia local que, há quase 20 anos, não me ouve. As televisões locais não me entrevistam. Rádios desmarcam entrevistas 15 minutos antes, alegando problemas técnicos – reclamou.

Veja também  Chifrado por Ratinho Junior, Alvaro Dias ameaça com candidatura ao governo do Paraná

Requião disse que sustenta sua pré-candidatura no legado de 320 programas de apoio às pessoas mais pobres de pequenas empresas, que não pagavam imposto estadual. Ele citou políticas públicas que ajudaram a agricultura como o “Panela Cheia” e o “Bom Emprego”.

– Programa de trator, de empréstimo a juros baixos, para as pessoas que trabalhavam a terra – recordou.

Para Requião, o atual governo Ratinho Junior é feito para os muito ricos.

– O Estado é para os mais pobres que precisam de escolas de qualidade e saúde universal; os ricos são ricos em qualquer parte do planeta, logo eles não precisam de Estado – disse.

Roberto Requião declarou que é pré-candidato de um movimento de salvação do Paraná e reconstrução do Estado.

De acordo com ele, Lula também é candidato de um movimento amplo para conter a entrega do petróleo, a água e as terras brasileiras para estrangeiros. Requião disse que Lula é a sua dobrada no Paraná.

– Lula e eu também temos defeitos. Claro que temos. Mas transformamos os nossos erros do passado em experiências e não vamos repeti-los. O Lula é um homem de compromisso com o povo, o menino que veio como boia-fria, desempregado, a mãe abandonada pelo pai. “Ele sofreu o sofrimento da vida”, disse Requião.

Requião disse que ele e Lula irão colocar novamente o Paraná e o Brasil nas mãos dos brasileiros.

Segundo ele, o amor e a solidariedade irão parar o governo do Ratinho Junior, que luta pelos muito ricos.

O comandando economia com Bolsonaro escravizando o povo tem que parar – exortou.

– Ratinho Junior fazendo propaganda do governo que praticamente não existe. O governo do Paraná com toda sinceridade não é um governo, é uma molecada. Eu sou pré-candidato a governar um Paraná para preencher esse vazio de autoridade, de desamor pelo povo, de ambição e de negócios para os muito ricos.

Veja também  Conheça os cinco senadores que disputam presidência do Senado

Ouça a íntegra da entrevista de Requião na Ilha do Mel FM