No Paraná, apoiadores de Bolsonaro e Moro se engalfinham pelo comando do União Brasil

O bicho está pegando no União Brasil, seção do Paraná, onde apoiadores do presidente cessante Jair Bolsonaro (PL) se engalfinham com os seguidores do ex-juiz Sergio Moro (União). O convívio entre eles na agremiação é mais tensa que a vizinhança entre árabes e judeus na Faixa de Gaza.

Dito isso, enquanto Moro tenta convencer a ala bolsonarista que pode derrotar o governador cessante Ratinho Junior (PSD) e o senador Alvaro Dias (PODE) outro grupo ligado ao ex-deputado Fernando Francischini já discute a eleição municipal de 2024. Ainda há um terceiro batalhão que questiona a filiação de Moro no União.

Sim, terminada essa eleição de outubro, o mundo político começará imediatamente a debruçar-se sobre a disputa de prefeito e vereador.

A “turma boa” de Francischini quer barrar a possível candidatura do deputado Ney Leprevost (União) à sucessão do prefeito Rafael Greca (PSD).

“DataMoro” vem aí com Sergio Moro na disputa pelo governo do Paraná

Moro ameaça

O que esperar do Datafolha nesta quinta-feira

O União ‘francischinista’ teria se antecipado e averbado apoio à candidatura vindoura do vice-prefeito Eduardo Pimentel (PSD), que sonha receber o cetro de titular no Palácio 29 de Março – sede do Paço Municipal.

Leprevost é egresso do PSD, partido de Ratinho, que também havia preterido o parlamentar na eleição de 2020 pelo apoio a Greca.

Deputado federal, que vai concorrer à Assembleia Legislativa, com o intuito de ficar mais perto do eleitorado da capital, Leprevost pensa concorrer à Prefeitura de Curitiba, custe o que custar.

O diabo é que ele pode ficar sem legenda para 2024.

Se eleito deputado estadual este ano, Ney Leprevost terá de aguentar três anos e meio até a abertura da janela partidária, antes de trocar de agremiação.

Veja também  Diante da covardia de Bolsonaro, PT quer aumentar o Bolsa Família

Uma das maneiras de driblar essa luta umbilical seria tomando a presidência do União Brasil em Curitiba, no entanto, a mulher de Francischini, vereadora Flávia Francischini, não abre mão do comando da sigla na capital paranaense.

Por causa da fusão PSL com DEM, o União Brasil surgiu em 2022 como maior partido do país, e, consequentemente, a legenda tem o maior fundo eleitoral [R$ 782 milhões].

Como se vê, caro leitor, Faixa de Gaza é refresco perto do belicoso União Brasil – seção Paraná.

Blog do Esmael, notícias verdadeiras.