No apagar das luzes, vereadores aprovam reajuste de 15% aos servidores da Câmara de Curitiba

Professora Josete (PT).
Professora Josete (PT).
Na penúltima sessão do ano, realizada na manhã desta segunda-feira (7), os vereadores de Curitiba criaram exceção! ao aprovar, sem debate com as demais categorias, reajuste de 15% para servidores da Câmara Municipal.

Pressionados pelos servidores da Casa, os vereadores aprovaram reajuste de 15% nos salários e incorporação de gratificações. A medida proposta por alguns vereadores em fim de mandato, como o presidente da Casa João do Suco (PSDB), só teve como votos contrários os vereadores de oposição e a vereadora Maria Goreti (PSDB). Para eles, a medida não foi debatida com a sociedade e é uma má demonstração para a sociedade.

A vereadora Professora Josete (PT) se colocou contrária ao projeto. Para ela, a medida é inconstitucional, pois gera uma despesa não prevista a menos de 180 dias do fim de uma gestão, além de quebrar isonomia entre os servidores.

A Câmara gera R$ 80 mil de despesa por mês, ferindo a lei de responsabilidade fiscal. Houve pressão para esse projeto passar. Eu sou servidora pública e sindicalista e vejo que isso não foi aprovado de forma clara. Você não aprova um projeto ao apagar das luzes!, condena.

Para aumentar os salários, os servidores alegaram que houve a redução dos cargos comissionados de 562 para 342, tendo garantido os recursos. No entanto, a vereadora Maria Goreti afirma que o projeto foi elaborado apenas pelos servidores.

O projeto devia ter a participação de ambos, mas não teve representação do Executivo!, alerta. Já a vereadora Josete conta que o projeto chegou no fim de novembro e foi apreciado muito rápido.

Eu fico indignada porque os três vereadores que apresentaram o projeto — João do Suco, Caíque Ferrante (PRP) e Celso Torquato (PSD) — e estão na mesa não estarão aqui no ano que vem!, protestou a petista.

Veja também  Maia critica fala de Bolsonaro sobre urnas eletrônicas

Comments are closed.