Negacionistas têm maconha e bebidas proibidas por falta de comprovante de vacina

Negacionistas têm maconha e bebidas proibidas por falta de comprovante de vacina

Na semana que o Brasil discute a exigência de comprovante de vacina para o início das aulas presenciais, a exemplo da Universidade Federal do Paraná (UFPR), a província de Quebec, no Canadá, anunciou que cobrará o passaporte de vacinação de quem deseja fazer compras em lojas de maconha e bebidas do governo.

No Canadá, o governo distribui maconha e bebidas como política pública de redução de danos. [Dados recentes indicam que, desde 2020, quando foi legalizada, o consumo da cannabis foi reduzida no país.]

Além disso, a província canadense de Quebec cobrará um ‘imposto de saúde’ para os moradores que não estiverem vacinados contra a covid-19.

No Quebec, apenas 12,8% da população não foi vacinada e metade desses são os que estão hospitalizados devido à doença.

Segundo o primeiro-ministro de Quebec, François Legault, 85% dos que vivem na província receberam pelo menos uma dose da vacina até 1º de janeiro deste ano de 2022.

Para Legault, a cobrança de impostos e exigência de passaporte de vacina para compras em lojas de maconha e bebidas do governo são ‘uma questão de justiça para 90% da população’ já imunizada.

Na terça-feira (11/01), o número total de mortos por covid em Quebec chegou a 12.028, com 62 óbitos registrados em um período de 24h.

Vacinação contra a Covid no Brasil

A título de comparação, 67,86% da população brasileira está totalmente imunizada com duas doses ou dose única [144.763.135 pessoas] enquanto 75,82% da população tomou a primeira dose [161.727.955 pessoas].

Segundo o Conselho Nacional de Secretários de Saúde (Conass), o Brasil teve 87.471 casos infecções de 133 óbitos nas últimas 24 horas. Desde o início da pandemia, são 22.716.931 casos e 620.371 mortes acumulados.