Miriam Leitão: Manifesto da Fiesp foi escrito por semianalfabetos porque ninguém entendeu o texto

Miriam Leitão: Manifesto da Fiesp foi escrito por semianalfabetos porque ninguém entendeu o texto

A jornalista Miriam Leitão, da Globo, resumiu o manifesto da Fiesp (Federação das Indústrias de São Paulo) como um escrito de semianalfabetos porque ninguém entendeu o texto.

“O texto é muito vago, anódino. Um leitor do futuro não entenderá nada. A nota é fraca. Eles quiseram fazer omelete sem quebrar ovos”, criticou Miriam.

A colunista criticou o adiamento da divulgação do documento para depois das manifestações de 7 de setembro, a pedido do presidente Jair Bolsonaro e do presidente da Câmara, Arthur Lira (PP-AL).

Paulo Skaf atendeu à solicitação do Palácio do Planalto, mas setores do empresariado descontentes com o governo resolveram vazar o manifesto [clique aqui para ler].

Além de empresários ligados à Fiesp e de banqueiros da Febraban (Federação dos Brasileira dos Bancos), o agronegócio também se manifestou a favor de Bolsonaro, dos protestos no 7 setembro, porém os fazendeiros tentam se diferenciar daqueles que querem o fechamento do STF, do Congresso e rechaçam um golpe ou ditadura no país.

Em síntese, Miriam Leitão quis dizer que o pessoal da Fiesp e da Febraban ou são semianalfabetos ou se acovardaram diante de Bolsonaro.

Leia também

Vazou o manifesto da Febraban e Fiesp contra o presidente Bolsonaro; confira a íntegra

Roberto Jefferson é denunciado por incitação ao crime e homofobia, mas PGR pede prisão domiciliar ao “Rambo” bolsonarista

Greve na RedeTV! e Haddad lembra que Globo e Folha pediram censura de portais jornalísticos

Leia a íntegra do manifesto da Febraban e da Fiesp:

“A Praça é dos Três Poderes

A Praça dos Três Poderes encarna a representação arquitetônica da independência e harmonia entre o Legislativo, o Executivo e o Judiciário, essência da República. Esse espaço foi construído formando um triangulo equilátero, cujos vértices são os edifícios- sede de cada um dos poderes.

Esta disposição deixa claro que nenhum dos prédios é superior em importância, nenhum invade o limite dos outros, um não pode prescindir dos demais. Em resumo, a harmonia tem de ser a regra entre eles.

Este princípio está presente de forma clara na Constituição Federal, pilar do ordenamento jurídico do país. Diante disso, é primordial que todos os ocupantes de cargos relevantes da República sigam o que a Constituição impõe.

As entidades da sociedade civil que assinam este manifesto veem com grande preocupação a escalada de tensões e hostilidades entre as autoridades públicas. O momento exige de todos serenidade, diálogo, pacificação política, estabilidade institucional e, sobretudo, foco em ações e medidas urgentes e necessárias para que o Brasil supere a pandemia, volte a crescer, a gerar empregos e assim possa reduzir as carências sociais que atingem amplos segmentos da população.

Mais do que nunca, o momento exige do Legislativo, do Executivo e do Judiciário aproximação e cooperação. Que cada um atue com responsabilidade nos limites de sua competência, obedecidos os preceitos estabelecidos em nossa Carta Magna. Este é o anseio da Nação brasileira.”