Ministro da Justiça de Bolsonaro tem 48 horas para explicar ‘arapongagem’ contra adversários políticos

A ministra Cármen Lúcia, do Supremo Tribunal Federal, deu 48 horas para o ministro da Justiça, André Mendonça, explicar a “arapongagem” produzida pela Secretaria de Operações Integradas (Seopi) contra 579 servidores federais e estaduais identificados como “antifascistas”.

Araponga é o apelido dos espiões ou investigadores, responsáveis por bisbilhotar e reunir informações de adversários para eventual uso político, judicial ou pessoal. Na ditadura militar, a atividade era vital para a caçada dos militantes da oposição. Muitos foram presos, torturados e mortos.

“A gravidade do quadro descrito na peça inicial, que — a se comprovar verdadeiro — escancara comportamento incompatível com os mais basilares princípios democráticos do Estado de Direito e que põem em risco a rigorosa e intransponível observância dos preceitos fundamentais da Constituição da República e, ainda, a plausibilidade dos argumentos expostos, pelos quais se demonstra a insegurança criada para os diretamente interessados e indiretamente para toda a sociedade brasileira impõe o prosseguimento da presente arguição de descumprimento, com tramitação preferencial urgente”, escreveu a ministra Cármen no despacho.

A decisão da ministra visa atender uma representação da Rede baseada em uma matéria do Portal UOL. Segundo o Partido, o ministério da Justiça promoveu perseguição política contra os 579 funcionários, confundindo “interesse nacional” com “interesse do Presidente da República”.

“O que se vê é um aparelhamento estatal em prol de perseguições políticas e ideológicas a partir de uma bússola cujo norte é o governante de plantão: quem dele discorda merece ser secretamente investigado e ter sua imagem exposta em dossiês ‘da vergonha’ perante suas instituições laborais”, afirma a peça.

LEIA TAMBÉM
Molon apresenta projeto para anular decreto que cria Centro de Inteligência Nacional na ABIN

Bolsonaro almeja um Brasil desimportante, por Enio Verri

Veja também  Por que Moro não precisa fazer exame da OAB para advogar?

Cédula de R$ 200, para Bolsonaro ‘capitalizar’ auxílio emergencial, será cinza, informa BC

Centrais sindicais farão protesto no dia 7 de agosto em defesa da vida e dos empregos

Além da abertura de inquérito, a Rede solicita que a produção de informações de inteligência estatal sobre integrantes do movimento antifascista seja imediatamente suspensa.

Arapongagem é coisa dos tempos da ditadura com a qual o governo Bolsonaro tanto se identifica. Faz sentido. Mas é sintomático que o bolsonarismo veja os “antifascistas” como inimigos, não é?

Com informações do Conjur

PT denuncia ministro da Justiça de Bolsonaro à PGR e TCU por espionagem

Publicado em 28 de julho de 2020

Dirigentes do Partido dos Trabalhadores denunciaram o ministro da Justiça de Bolsonaro, André Mendonça, por crimes contra a administração pública ao colocar a máquina do Estado para espionagem de adversários políticos.

A denúncia é de autoria do secretário-geral do PT, deputado Paulo Teixeira (SP), e dos líderes do Partido na Câmara, Enio Verri (PR), e no Senado, Rogério Carvalho (SE). Eles pediram nesta terça-feira ao procurador-geral da República, Augusto Aras, e ao Tribunal de Contas da União (TCU) a abertura de investigações para apurar a conduta do ministro da Justiça, André Mendonça.

Paulo Teixeira escreveu em seu Twitter:

Os petistas acusam André Mendonça perseguição política e espionagem. “É extremamente grave a conduta do ministro e de funcionários do primeiro escalão do governo”, criticam.

O Ministério da Justiça produziu dossiês com nomes e, em alguns casos, fotografias e endereços de redes sociais das pessoas monitoradas. A atividade contra os antifascistas, conforme documentos divulgados semana passada pelo jornalista Rubens Valente, é realizada por uma unidade do ministério pouco conhecida, a Secretaria de Operações Integradas, uma das cinco secretarias subordinadas ao ministro André Mendonça.

Veja também  Relator no TSE rejeita a cassação da chapa Bolsonaro e Mourão; placar é de 3 votos a zero

A suspeita contra Mendonça é grave. Ele determinou a montagem de uma polícia política no governo federal para espionar servidores públicos e adversários do presidente Jair Bolsonaro. O PT aponta a prática de crimes de prevaricação e improbidade administrativa contra Mendonça e servidores da cúpula do Ministério da Justiça.

Os parlamentares anunciaram que vão convocar Mendonça a se explicar no Congresso. Também requereram, junto com a presidenta do PT, deputada Gleisi Hoffmann (PR), providências do Tribunal de Contas da União.

“A ação do Ministério da Justiça e Segurança Pública, ao realizar uma absoluta e clandestina devassa na vida de pessoas, caracteriza-se como espionagem política”, apontam os parlamentares nas representações entregue à PGR e ao TCU. “Postura antirrepublicana, que remete aos tempos sombrios do regime de exceção que vitimou a sociedade brasileira e a própria Nação por mais de duas décadas, que viola deveres de legalidade, impessoalidade, publicidade e moralidade impostos ao gestor público pela Constituição Federal”.

LEIA TAMBÉM

Atentado à democracia
Além de Mendonça os petistas também apontam conduta criminosa do delegado Jefferson Lisboa Gimenes, secretário de Operações Integradas do Ministério da Justiça, e Gilson Libório de Oliveira Mendes, diretor de Inteligência. Gimenes é  delegado da Polícia Civil do Distrito Federal e Libório tem formação militar.Ambos foram nomeados em maio por Mendonça.

Veja também  Joice Hasselmann pede apoio de Bolsonaro em entrevista para Datena

O PT considera a denúncia contra o ministro e os dirigentes do Ministério da Justiça fatos gravíssimos, reportando atentado às liberdades democráticas, violação ao princípio republicano e vulneração de direitos e garantias fundamentais.

Segundo denúncia do jornalista Rubens Valente, do UOL, o Ministério da Justiça promoveu uma devassa, promovendo a espionagem política de 579 servidores federais e estaduais da área de segurança pública, por suspeita de integrarem um movimento antifascista”.

Lisboa e Libório são apontados como os autores dos dossiês contra servidores públicos, incluindo três professores universitários, um dos quais o ex-secretário nacional de direitos humanos Paulo Sérgio Pinheiro, atual relator da ONU sobre direitos humanos na Síria. Todos os servidores são críticos do governo de Jair Bolsonaro.

Paulo Teixeira e os líderes Enio Verri e Rogério Carvalho apontam que o ministro procedeu de modo incompatível com o cargo, ferindo a dignidade e o decoro. Eles querem abertura de processo por crime de responsabilidade contra o ministro André Mendonça.

As informações são do PT.