Lula é ‘carta no baralho’ mesmo inelegível, avalia Estadão

O Estadão fez matéria acerca da condenação do ex-presidente Lula que, ao longo das últimas horas, foi editando, editando, editando… até chegar à conclusão de que o petista, mesmo inelegível, é ‘carta no baralho’ de 2018.

“A avaliação predominante, incluindo a de políticos ligados a setores do campo de centro-direita, é de que o ex-presidente, mesmo condenado, não pode ser considerado carta fora do baralho. Eventual absolvição em segunda instância, avaliam, fortaleceria sua candidatura, pois daria respaldo ao discurso de que ele é vítima de perseguição política. Uma vez impedido de disputar a eleição, seria um forte cabo eleitoral. “Do ponto de vista político, é melhor tratá-lo como candidato”, diz o jornalão citando Rafael Cortez, cientista político e analista político sênior da Tendências Consultoria Integrada.

Antes, porém, o mesmo Estadão, havia registrado que mesmo condenado e a sentença confirmada pela segunda instância, com base nos precedentes, Lula ainda poderia disputar as eleições de 2018.

A conversa do jornalão paulista é de que essas crises deverão multiplicar candidaturas, fortalecer nomes de fora da política e arrefecer o chamado “discurso ético” nas campanhas.

Sem Lula na corrida presidencial, avalia o porta-voz da burguesia paulista, diminuem as chances do prefeito de São Paulo João Doria (PSDB) e aumentam as possibilidades do governador Geraldo Alckmin (PSDB). Ou seja, Doria seria considerado como um eventual anti-Lula.

Veja também  Bolsonaro entre 'tosse' e 'choro' tenta recuperar aprovação [vídeos]

Comments are closed.