Le Monde conta como o Brasil “embranqueceu” suas personalidades negras, como Machado de Assis

Na esteira dos debates lançados recentemente sobre o racismo no mundo, o jornal francês Le Monde se interessou mais uma vez pela situação do Brasil. Na edição publicada nesta quinta-feira (25), o vespertino conta a história do escritor Machado de Assis. O correspondente no Rio de Janeiro relata como o país “embranqueceu” o fundador e primeiro presidente da Academia Brasileira de Letras, assim como várias outras personalidades negras.

Em um texto intitulado “A redescoberta no Brasil das grandes personalidades negras ‘embranquecidas’”, o correspondente Bruno Meyerfeld conta como todas as referências à cor da pele de Joaquim Machado de Assis, “monumento nacional da literatura”, foram, durante muito tempo, apagadas. O jornalista explica que até hoje muitos nem sabem que o maior escritor do país era negro.

O correspondente explica a razão dessa ignorância, ressaltando que “na foto oficial do autor, usada para ilustrar a maior parte de seus livros, Machado de Assis aparece com uma pele tão clara quanto a sua camisa”. Além disso, na imagem os cabelos parecem ser lisos e os traços são escondidos pela barba, continua o texto. Le Monde lembra ainda que estátuas do autor de “Dom Casmurro” foram feitas quando ele ainda era vivo. E, mesmo assim, os escultores preferiram usar o mármore branco ao basalto preto.

LEIA TAMBÉM:
PSOL aciona a Justiça para suspender indicação de Abraham Weintraub ao Banco Mundial

Luiz Fux é eleito novo presidente do STF

Novo ministro da Educação é militar da reserva; saiba quem é Carlos Alberto Decotelli da Silva

Inquérito das rachadinhas de Flávio Bolsonaro e Queiroz vai para 2ª instância no TJ-RJ

“Na verdade, o tratamento dado a Machado de Assis não é fruto do acaso. O escritor, como várias outras personalidades negras ou mestiças, viu seus retratos ‘embraquecidos’ de propósito – resultado de um racismo odioso em prática no início do século 20”, pontua o correspondente. Ele lembra que o Brasil ainda sofria com a herança da escravidão, abolida em 1888, e que, em seguida, “os governantes, que sonhavam com um país de ‘sangue lavado’, implementaram uma política oficial de embraquecimento da população, ‘importando’ 4 milhões de imigrantes da Europa até 1929”.

Veja também  Lula vence no primeiro turno, diz mais uma nova pesquisa sobre 2022

Até presidente teve imagem alterada
No caso de Machado de Assis, a imagem desejada pelas autoridades persistiu durante décadas, a ponto de seu atestado de óbito trazer a descrição “cor branca”. “Um século mais tarde, em 2011, um ator branco foi escolhido para interpretar o escritor em uma publicidade”, relata o jornal francês, insistindo que o autor está longe de ser o único a receber esse tratamento no país. “Um ‘branqueamento’ fotográfico foi aplicado em Nilo Peçanha, presidente do Brasil entre 1909 e 1910, mas também no padre e compositor José Mauricio (1767-1839), ou ainda no escritor e jornalista Lima Barreto (1881-1922), todos mestiços e descendentes de escravos”, enumera o jornal.

Retrocesso na era Bolsonaro?
Segundo Le Monde, a situação só começou a mudar nos anos 2000. “Nessa época, a identidade negra se afirmou e grandes personalidades afrobrasileiras foram ‘desembranquecidas’: arquivos foram descobertos e fotografias do ‘verdadeiro Machado’ foram exumadas. Em 2019, a universidade Zumbi dos Palmares, em São Paulo, publicou uma nova versão oficial do retrato do escritor, que aparece com sua verdadeira cor de pele”, relata o texto.

“Mas será que esse movimento de emancipação vai resistir à onda de Jair Bolsonaro?”, questiona Le Monde, afirmando que o Brasil vive atualmente um grande retrocesso sobre as questões raciais. Para justificar seus argumentos, o correspondente termina o texto mencionando o cartaz de uma campanha publicitária recente do governo federal, no qual aparecem, sob o slogan “Pátria Amada – Brasil”, cinco crianças, todas brancas, com cabelos lisos e de aparência europeia. “Um novo ‘embranquecimento’ fotográfico, bem distante da realidade de uma nação cada vez mais mestiça”, conclui o correspondente.

Por RFI