Justiça decreta prisão do presidente da Câmara Municipal de Apucarana

por Amanda de Santa e Fábio Calsavara, do Jornal de Londrina, com informações de Wilson Kirsche, da RPCTV

O presidente da Câmara Municipal de Apucarana, no Norte do Paraná, Alcides Ramos Júnior (DEM), teve a prisão decretada pela Justiça e é considerado foragido desde esta sexta-feira (30), segundo o Ministério Público do Paraná (MP-PR). O motivo seria o envolvimento em irregularidades administrativas.

Durante uma operação realizada na cidade na manhã desta sexta-feira (30), dois funcionários da Casa, ligados à  presidência, foram presos acusados de improbidade administrativa. Ao todo, 15 pessoas foram indiciadas por envolvimentos em irregularidades.

De acordo com as primeiras informações do MP, os três pedidos de prisão são resultado de uma operação de busca e apreensão realizada no prédio da Câmara em outubro.

A denúncia era sobre irregularidades no pagamento de serviços. Documentos e computadores foram apreendidos. O MP também investigava denúncias de desvio de equipamentos para o comitê de campanha de reeleição para vereador do presidente da Casa e a suspeita de superfaturamento no pagamento de produtos e serviços.

A reportagem apurou que entre os produtos superfaturados estariam itens como café e pão, entregues à  Câmara supostamente em quantidade inferior à  descrita nas notas fiscais. Peças de carros compradas com recursos do município teriam sido supostamente desviadas para veículos de particulares, e até mesmo a tinta comprada pela Câmara dos Vereadores teria sido supostamente utilizada por Ramos Júnior na pintura de seu gabinete de campanha.

O JL tentou ligar para o promotor responsável pelas investigações, Eduardo Augusto Cabrini, mas o celular dele estava desligado. Ele vai dar uma entrevista coletiva à s 16h, onde dará detalhes sobre a operação.

Veja também  Eduardo Bolsonaro fala em 'cristofobia' no Chile enquanto Pantanal e Amazônia queimam no Brasil

Comments are closed.