Jornal “Folha do Bolsonaro” amplia fake news contra Lula

O jornal Folha de S.Paulo, também conhecido como “Folha do Bolsonaro”, usou o editorial desta quinta-feira (25/05) para atacar o ex-presidente Lula (PT) – a pretexto de defender o legado de Sergio Moro e a Lava Jato.

Primeiramente cabe ressaltar que graças à força-tarefa de Curitiba e ao ex-juiz Moro que Jair Bolsonaro (PL) foi eleito em 2018. Foi a prisão ilegal de Lula que assegurou a vitória do extremista, que contou com ampla ajuda da velha mídia corporativa. Este é o primeiro legado da operação.

A reação do jornalista paulistano veio porque Moro virou réu numa ação popular que pede ressarcimento ao erário pelos danos causados pela Lava Jato na economia, além de 4,4 milhões de desempregos gerados entre 2014 e 2021. O Dieese calcula em R$ 170 bilhões os prejuízos da operação ao País. Este é mais um legado da operação.

Num malabarismo antipetista e anti-Lula, a opinião da Folha de Bolsonaro é risível porque se esmera pelo negacionismo e pela contradição. Possivelmente, o editorialista fumou alguma substância estragada.

– O líder petista recobrou seus direitos políticos e deve, para todos os efeitos, ser considerado inocente – afirma o texto do jornalão. Este é outro legado da operação, que foi violar a Constituição Federal, presunção da inocência, o devido processo legal, dentre outras barbaridades.

Porém, afirma o editorial, “isso não é o mesmo que ter sido inocentado pela Justiça após exame do mérito.” Outro legado da Lava Jato, que contaminou a mídia: a mentira, a fake news.

O ex-juiz Sergio Moro
Sergio Moro sentiu a ação popular que pede ressarcimento dos prejuízos provocados pela Lava Jato

A Lava Jato e Sergio Moro não conseguiram provar nenhum ilícito contra Lula. Pelo contrário. O Supremo Tribunal Federal e a ONU consideraram o então juiz parcial, por isso anularam os efeitos das sentenças.

– Moro não se revelou um magistrado imparcial, como se soube após os vazamentos de diálogos travados com procuradores da Lava Jato – concorda a “Folha do Bolsonaro”, para então retomar o negacionismo e contestar a decisão do STF: “não há como negar que um esquema bilionário de corrupção se instalou na Petrobras sob a gestão do PT”, tergiversa, em prol de Jair Messias Bolsonaro.

Veja também  Putin: o Ocidente ignorou os interesses da Rússia

A Lava Jato também deixou como legado os ataques à corte máxima.

Note o caríssimo leitor que a Folha, sem coragem, não defende Bolsonaro de peito aberto. O jornalão prefere atacar seu principal oponente, o ex-presidente Lula.

Doutor, eu não me engano. A Folha é um jornal bolsonariano, portanto.