Greca perde a batalha da comunicação para servidores em greve

Nem a reza de Corpus Christi protegeu o prefeito de Curitiba, Rafael Greca (PMN), dos disparos nas redes sociais durante este feriadão.

A “Prefs” — perfil da Prefeitura de Curitiba no Facebook — não aguentou a artilharia pesada das avaliações e comentários na página. Por isso, os estrategistas da Secretaria Municipal de Comunicação desativaram os botões que davam nota à ação/notícia.

“A Prefeitura de Curitiba resolveu o problema das notas “1” que estava recebendo, excluiu a área das notas! Assim acabam todos os problemas né Rafael Greca?”, questiona um internauta.

Outra internauta usa da ironiza para criticar a intolerância no Facebook: “Reza Greca, reza muito. Só rezando mesmo. Porque você é o capeta na terra”.

Essas duas reações são apenas a ponta do iceberg com potencial de refletir nas próximas votações na Câmara Municipal.

Os 38 vereadores da cidade estão bastante assustados com a reação da população que atendeu ao apelo dos 33 mil servidores municipais. Um desses parlamentares, que pediu para não ser identificado, avalia que o prefeito Rafael Greca perdeu a batalha da comunicação para o funcionalismo, que estão em greve desde a última segunda-feira (12).

“Nas vésperas da votação na Câmara, nós estamos sendo caçados pelos servidores nos supermercados, nas padarias, nas farmácias”, lamenta o vereador, que acredita em reviravolta na votação do pacotaço prevista para terça-feira (20).

O vereador Goura (PDT) compara o pacotaço de Greca àquelas maldades do governador Beto Richa (PSDB) que atacaram direitos e redundaram no massacre de 213 professores no dia 29 de abril de 2015.

“O script oficial é esse: o povo vai resistir e a Prefeitura de Curitiba vai reprimir para aprovar essas medidas de Greca. Só que não. O humor dos vereadores está mudando com a intensa mobilização dos servidores”, afirma o pedetista.

Veja também  Quem é Carlos Wizard, do "Ministério Paralelo da Saúde" do governo Jair Bolsonaro?

Goura também vê derrota de Rafael Greca na batalha da comunicação.

Comments are closed.