Gilmar Mendes confirma votação de suspeição de Sérgio Moro

O ministro do STF Gilmar Mendes, alvo de protestos de lavajatistas, confirmou ao jornal argentino Clarín a votação do habeas corpus que pede a suspeição do ex-juiz Sérgio Moro.

De acordo com o ministro do Supremo Tribunal Federal, a Segunda Turma, irá julgar o pedido da defesa do ex-presidente Lula ainda este ano.

“É importante que [o recurso de Lula] seja analisado. Certamente o que surgirá no debate é se as razões que estão ali [expostas] são suficientes ou se vamos poder usar aquilo que está nas informações do The Intercept”, adiantou Gilmar Mendes. “Espero que seja ainda neste ano”, completou o ministro.

Em entrevista ao Clarín, o magistrado considerou essencial o debate, já que, segundo ele, muitos tribunais começaram a “simplesmente enviar detidos para a prisão sem qualquer fundamento” depois que o STF, em 2016, autorizou as detenções sem esperar pelo chamado de “trânsito em julgado” ou o esgotamento das instâncias de apelação.

Gilmar Mendes também disse que o STF enfrentará o habeas corpus exigido pela defesa de Lula, que acusa o ex-juiz e atual ministro da Justiça Sergio Moro de atuar parcialmente em seu papel de magistrado que julgou e condenou o ex-presidente. Esse caso pode decidir, se a maioria dos juízes concordar, pelo cancelamento dos processos que pesam sobre o ex-líder sindical.

No caso concreto, os advogados de Lula querem anular a condenação do caso tríplex do Guarujá (SP).

Para Gilmar, o uso da prisão provisória com o objetivo de obter delações é uma espécie de tortura. “Outros adjetivos são ilações”, disse o ministro do STF.

LEIA TAMBÉM
Bolsonaro cada vez mais distante dos ‘chatos’ lavajatistas

Lula Livre reúne mais em Recife que manifestações por impeachment de Gilmar Mendes

Mangabeira Unger: Bolsonaro é o laranja da elite brasileira