França veta oficialmente uso da hidroxicloroquina para tratar Covid-19

O governo da França proibiu nesta quarta-feira (27) oficialmente o uso da hidroxicloroquina para tratar a Covid-19 nos hospitais, depois que dois organismos responsáveis pela saúde pública no país se declararam contrários à utilização da substância.

Desde o fim de março a hidroxicloroquina, derivado da cloroquina, um medicamento de combate à malária, era utilizada, de maneira excepcional, nos hospitais franceses para tratar casos graves do novo coronavírus.

A substância, promovida na França pelo controverso professor Didier Raoult, de Marselha, e defendida pelos presidentes dos EUA, Donald Trump, e do Brasil, Jair Bolsonaro, é um medicamento derivado da cloroquina, prescrita há várias décadas contra a malária.

LEIA TAMBÉM:
Brasil chega a 24.512 mortes com 391 mil casos de Coronavírus em 26/05

Brasil ultrapassou os EUA e lidera mortes diárias por Coronavírus no mundo

Datafolha: 60% dos brasileiros apoiam o ‘lockdown’ na pandemia de coronavírus

Mas uma pesquisa publicada na semana passada na respeitada revista médica The Lancet apontou a ineficácia e riscos desse medicamento para os enfermos da Covid-19.

Uso em testes clínicos continua autorizado
A decisão do governo francês acontece após uma opinião desfavorável emitida na terça-feira (26) pelo Alto Conselho da Saúde Pública (HCSP), consultado pelo governo após a divulgação do estudo da revista The Lancet. O HCSP recomendou que “a hidroxicloroquina não seja utilizada no tratamento da Covid-19″. O uso em testes clínicos continua autorizado.

O medicamento, comercializado sob o nome de Plaquénil na França, faz parte de numerosos tratamentos testados desde o início da epidemia do novo coronavírus. A substância também é prescrita na luta contra doenças autoimunes, o lúpus ou a poliartrite reumatoide.

O decreto publicado hoje no Diário Oficial também põe fim à prescrição fora de testes clínicos contra a Covid-19 do medicamento que associa lopinavir e ritonavir, dois antirretrovirais, apontados pela Agência dos medicamentos por seus riscos cardíacos.

Por RFI