Bolsonaro cultiva a ideologia da morte, critica Flávio Dino

Flávio Dino explica recuo de Bolsonaro: ‘covardia e queda nas pesquisas’

O governador do Maranhão, Flávio Dino (PSB), disse que dois fatores contribuíram para o espetacular recuo do presidente Jair Bolsonaro em seu intento golpista.

“Pesquisas realizadas ontem e hoje mostram queda da aprovação de Bolsonaro”, disse. Segundo o governador, tal fato e a sua conhecida covardia explicam o “recuo”.

Dino afirmou que “não é sincero” [o recuo] e por isso ninguém sabe quanto dura. “De todo modo, espero que ele se dedique a um tema que lhe é estranho: TRABALHO.”

Lula hoje lidera todas as pesquisas para presidente da República. O ex-presidente venceria no primeiro turno, dizem as sondagens mais sérias.

Leia também

Bolsonaro “cagão” comete ato falho em bandeira branca com STF: “A harmonia entre eles não é vontade minha”

Requião Filho: Não há Independência sem Democracia

Luís Roberto Barroso, presidente do TSE, fulmina Bolsonaro em pronunciamento [vídeo]

Bolsonaro abandonou companheiros “feridos” na estrada

A exemplo de outros eventos, o presidente Bolsonaro abandou seus companheiros feridos em combate na estrada. Nesta quinta-feira (09/09), diante do recuo, Sara Winter e Daniel Silveira foram bastante lembrados. Eles foram desprezados pelo mandatário após prestarem serviço de agitação política contra o STF.

Roberto Jefferson, presidente nacional do PTB, coitado, foi esquecido no presídio de Bangu 8 há quase um mês. O partido dele divulgou uma nota dizendo que ‘não se transige a tirania’.

Outros dois bolsonaristas, temendo a prisão e a falta de retaguarda, fugiram para o México. Zé Trovão, líder dos caminhoneiros, e Oswaldo Eustáquio, escriba ligado a Bolsonaro, usaram coiotes para deixar o Brasil rumo à América do Norte. De lá, eles ainda pretende cruzar a fronteira para os Estados Unidos.

Na terra de Tio Sam, Zé Trovão e Eustáquio –ambos com ordem de prisão emitida pelo ministro Alexandre de Moraes– irão se juntar com o jornalista e blogueiro Allan dos Santos e com o ex-ministro da Educação, Abraham Weintraub, agraciado com uma diretoria no Bando Mundial.