Fim do auxílio emergencial vai tirar única renda de 36% dos brasileiros, diz Datafolha

Google News

Pesquisa do Datafolha, divulgada nesta segunda-feira (21), revela que o fim do auxílio emergencial de R$ 300, no fim deste mês, deixará sem renda 36% dos brasileiros.

Em termos absolutos, cerca de 75 milhões de brasileiros não terão como prover seu sustento a partir de 1º de janeiro de 2021.

O Datafolha ouviu, por telefone, 2.016 pessoas entre os dias 8 e 10 de dezembro de 2020. A margem de erro é de dois pontos percentuais.

Segundo o levantamento publicado hoje no jornal Folha de S. Paulo, 75% das pessoas diminuíram a compra de alimentos com a redução das parcelas do auxílio emergencial de R$ 600 (em abril) para R$ 300 (setembro).

O Brasil é a nação com a maior taxa de desocupados do planeta, segundo a Organização Internacional do Trabalho (OIT). Cerca da metade da população economicamente ativa (PEA), ou seja 80 milhões de brasileiros, estão entre os desempregados, desalentados ou precarizados.

O auxílio emergencial foi criado para amenizar a depressão econômica, pré-existente, agravada pela pandemia.

Segundo o Datafolha, 75% dos beneficiários reduziram a compra de alimentos, 65% cortaram despesas com remédios, 57% diminuíram o consumo de água, luz e gás e 55% deixaram de pagar as contas da casa. Mais da metade dos beneficiários também reduziu os gastos com transporte (52%) e/ou parou de pagar escola ou faculdade (51%).

O governo do presidente Jair Bolsonaro garante que vai gastar este ano só R$ 580 bilhões com o auxílio emergencial enquanto que os bancos tiveram ajuda de cerca R$ 4 trilhões do Tesouro Nacional com compra de títulos podres, renúncias fiscais, redução da parcela dos depósitos compulsórios de longo prazo, liberação de empréstimos com lastro em debêntures de empresas, Depósito a Prazo com Garantias Especiais (DPGE), flexibilização das regras das Letras de Crédito Agrícola (LCA), dentre outras medidas de “pai para filho”.

Veja também  Após 348.718 mortes, Bolsonaro autoriza campanha por distanciamento e máscara

O presidente Jair Bolsonaro jura que não haverá prorrogação do benefício e nem a criação de um novo programa.

Maia arrega para Bolsonaro e desiste de votar o auxílio emergencial

Em vídeo, Gleisi pede prorrogação do auxílio emergencial de R$ 600 por um ano

Auxílio emergencial termina este mês e pode deixar 67 milhões sem renda

Auxílio emergencial acaba no final do ano, diz Guedes