Fim da greve de 60 dias na Saúde depende da prefeitura, dizem trabalhadores

Google News

Servidores da Saúde em greve há 60 dias deverão se reunir pela primeira vez nesta tarde, à s 14 horas, com representantes da prefeitura de Curitiba. A confirmação desta mesa de negociações foi feita na semana passada pelo prefeito Luciano Ducci (PSDB) e pela cúpula do executivo municipal.

Os grevistas reivindicam a inclusão de 1.165 profissionais da saúde (cerca de 20%) na redução da jornada de trabalho de 30 horas semanais.

Neste período de paralisação dos trabalhadores, duas promessas de mesa foram adiadas pela prefeitura, prejudicando a população curitibana.

Com a greve, o Laboratório Municipal deixou de atender mais de 120 pacientes de todo tipo de complexidade. O trabalho da Vigilância Sanitária (fiscalização de estabelecimentos que trabalham com comida), do Mãe Curitibana, do NAPS (Núcleo de Apoio Psicológico Social) também foram prejudicados com a recusa da prefeitura.

Impasse

A prefeitura sempre requisitou a data do dia 2 de fevereiro por causa da mesa de negociação do piso salarial dos servidores municipais. No entanto, a própria prefeitura adiou para o dia 10 de fevereiro sua proposta sobre o reajuste salarial.

Por outro lado, o sindicato e os excluídos! solicitavam o adiantamento das negociações justamente para não acumular negociações em período pré-eleitoral, podendo prejudicar os servidores.

A manutenção, o fim da greve ou sua suspensão depende da proposta para implementação de jornada de 30 horas para os 12% restantes da saúde que não entraram no projeto de lei aprovado no fim de dezembro.

Comments are closed.