Fiat Elba de R$ 5 mil derrubou Collor; agora, propina de US$ 40 milhões pesa sobre Temer

O ex-presidente Fernando Collor de Mello sofreu impeachment, em 1992, devido ao pagamento de uma perua Fiat Elba com cheque fantasma de PC Farias.

O veículo que derrubou Collor custava algo em torno de cinco mil reais, se corrigido o valor pelo dólar seria hoje uns R$ 16 mil.

Agora é situação exageradamente mais gravosa para o ilegítimo Michel Temer (PMDB), segundo delações da Odebrecht.

O executivo Márcio Faria, número dois da Odebrecht, apontou esta semana Temer como responsável pela cobrança de uma propina de US$ 40 milhões, o equivalente a R$ 126 milhões, como contrapartida de 5% num contrato da área internacional da Petrobras.

“Totalmente vantagem indevida, porque era um percentual em cima de um contrato”, destacou o executivo da empreiteira ao detalhar a reunião que teve no escritório de Temer em 15 de julho de 2010.

“Michel Temer sentou na cabeceira” e tinha papel ativo na cobrança de propina, entregou o delator que se recorda ainda da participação de Eduardo Cunha e Henrique Alves no encontro.

O escândalo envolvendo Michel Temer chocou o mundo com repercussão na imprensa internacional, mas a mídia golpista brasileira ainda se faz de paisagem.

Por muito menos, uma Fiat Elba, Collor caiu em 1992.

Veja também  'Depois do roubo, pedágio tem que continuar os serviços mesmo sem contrato', exige deputado

Comments are closed.