EUA acusam Rússia de enviar sabotadores à Ucrânia para criar pretexto para invasão

EUA preveem que Rússia ‘muito provavelmente’ ocupará a Ucrânia sem ‘enormes sanções’

A Rússia “muito provavelmente” invadirá a Ucrânia e só poderá ser dissuadida por “enormes sanções”, disse o presidente do comitê de inteligência da Câmara dos EUA neste domingo (02/01).

Adam Schiff também disse que uma invasão poderia sair pela culatra em Moscou, atraindo mais países para a aliança militar da Otan.

“Também acho que um poderoso dissuasor é o entendimento de que, se eles invadirem, isso vai trazer a Otan para mais perto da Rússia, e não empurrá-la para mais longe”, disse ele.

Esta semana, Joe Biden disse a Vladimir Putin que os EUA imporiam sanções graves se a Rússia atacasse.

As reuniões estão agendadas em meio às tensões aumentadas pela posse de armas nucleares por ambos os lados, o ministro das Relações Exteriores da Rússia, Sergei Lavrov, disse que se “o Ocidente continuar sua linha agressiva, a Rússia será forçada a tomar todas as medidas necessárias para garantir o equilíbrio estratégico e eliminar ameaças inaceitáveis à segurança dao nosso país”.

A Rússia reclama há anos da invasão da Otan. A Ucrânia não é membro da aliança, o que garante a defesa coletiva, mas a Otan se expandiu para o leste desde a queda da União Soviética e Kiev está buscando admissão com urgência.

A Rússia invadiu o território ucraniano em 2014, anexando a Crimeia.

Os EUA forneceram armas “pequenas” à Ucrânia.

No programa ‘Face the Nation’ [Face da Nação] da CBS, Schiff foi questionado sobre o que impediria Putin de ordenar uma invasão pelas tropas russas reunidas perto da fronteira.

“Acho que seriam necessárias sanções enormes à Rússia para deter o que parece ser uma invasão russa à Ucrânia novamente”, disse Schiff. “E eu acho que nossos aliados precisam estar solidamente a bordo disso. A Rússia precisa entender que estamos unidos nisso.”

Uma invasão, disse Schiff, veria “mais ativos da Otan mais perto da Rússia. [Isso] terá o impacto oposto do que Putin está tentando alcançar”.

Schiff disse que “não tem problema” em “ir atrás de Putin pessoalmente”, mas acha que “sanções setoriais serão as mais importantes”.

Questionado se achava que as negociações programadas tinham alguma chance de evitar uma invasão, ele disse: “Temo que Putin provavelmente invadirá. Sinceramente, ainda não entendo toda a motivação do porquê agora ele está fazendo isso, mas ele certamente parece interessado nisso, a menos que possamos persuadi-lo do contrário.

“E acho que nada além de um nível de sanções que a Rússia nunca viu vai detê-lo, e é exatamente isso que precisamos fazer com nossos aliados.”

Rússia aconselhou o Secretário-Geral da OTAN a “mudar de emprego”

Para a Rússia, a segurança europeia baseia-se no princípio da indivisibilidade e, se o Secretário-Geral da OTAN, Jens Stoltenberg, achar que pode ignorá-la, terá de mudar de emprego.

Foi o que disse o chefe do Ministério das Relações Exteriores da Rússia, Sergei Lavrov, em entrevista exclusiva à RT.

“Se o Sr. Stoltenberg pensa que os membros da OTAN têm o direito de cuspir no princípio consagrado nos documentos adotados ao mais alto nível, então talvez tenha realmente chegado a hora de ele encontrar outro emprego, porque ele não está de forma alguma cumprindo seus deveres.”

Lavrov chamou as declarações de Stoltenberg em voz alta e bastante arrogante de que ninguém tem o direito de violar o Tratado de Washington, que abre a porta a qualquer candidato potencial que deseje ingressar na Aliança do Atlântico Norte, lembrando que “o princípio da indivisibilidade da segurança diz: a segurança de um estado não pode ser garantida para a conta de segurança de outro estado”:

“Não somos partes desta estrutura, não assinamos o Tratado de Washington, mas, como eu disse, estamos assinando um documento euro-atlântico mais abrangente e regional que contém o princípio da indivisibilidade da segurança.”

Lembre-se de que o Tratado do Atlântico Norte, também chamado de Tratado de Washington, foi assinado em 1949 e se tornou o documento fundador da OTAN.

No início de dezembro, o presidente russo, Vladimir Putin, disse que a Rússia deveria receber garantias de segurança jurídica dos Estados Unidos e da Otan. Em particular, ele propôs estabelecer o princípio de não expansão da OTAN para o leste.

Isolados e ainda infectados: pesquisadores da Antártica testaram positivo para Covid