Em perigo, Deltan Dallagnol convoca os robôs para tuitaço nesta segunda-feira

Google News

O procurador Deltan Dallagnol, no bico do corvo desde o início da devassa da PGR, convocou os robôs lavajatistas para um tuitaço às 18 horas desta segunda-feira (27).

A Procuradoria-Geral da República (PGR) faz uma busca nos arquivos da força-tarefa Lava Jato desde a semana passada. Na sexta-feira (24), manifestantes fizeram protesto a favor do procurador Augusto Aras em frente à sede do Ministério Público Federal do Paraná (MPF-PR).

Nas redes sociais, os robôs lavajatistas impulsionaram a hashtag. O procurador deverá ser substituído após uma consulta interna na PGR.

Procuradores que não leem a mesma Bíblia de Deltan acusam o procurador de ter transformado a força-tarefa no Paraná uma “LavaJaTUR”, devido os excessivos gastos com diárias e viagens.

O tuitaço desta noite convocado por Deltan Dallagnol, além do emprego de robôs, é uma reprodução do ‘modus operandi’ fake da força-tarefa durante toda a sua existência.

A Lava Jato se utilizou de movimentos criados ou incentivados por alguns procuradores para produzir agenda e palanque político para eles próprios. Exemplo caricato disso foi o procurador Diogo Castro, ex-Lava Jato, que pagou outdoor para homenagem a operação Lava Jato da qual ele fazia parte.

Com tuitaço ou sem tuitaço, o tempo de Deltan Dallagnol terminou na força-tarefa Lava Jato. Já deu, já cansou. Chega dos mesmos, segundo a maioria dos procuradores do MPF.

LEIA TAMBÉM

Bolsonaro, o nosso “Milosevic”, continua blindado pela velha mídia sobre denúncia de genocídio em Haia

A velha mídia brasileira –Globo, Folha, Estadão, Veja, et caterva— continua a blindar o presidente Jair Bolsonaro (sem partido) acerca da denúncia de crime contra a humanidade e genocídio no Tribunal Penal Internacional, em Haia, Países Baixos. Os veículos de comunicação aderidos ao bolsonarismo escondem essa informação, enquanto as redes sociais pululam com a hashtag #MinisterioDaMorte para reverberar o início do processo.

Veja também  Senado aprova auxílio emergencial de R$ 11 trilhões nos Estados Unidos

A petição pedindo a condenação de Bolsonaro na corte internacional de Haia foi protocolizada neste domingo(26) pela Rede Sindical Brasileira UNISaúde, organização que representa cerca de um milhão de trabalhadores da saúde em todo o Brasil.

A Rede Sindical Brasileira UNISaúde acusa o presidente Jair Bolsonaro de “falhas graves e mortais” na condução da resposta à pandemia de covid-19 e o aponta como responsável pelas mais de 87 mil mortes pela doença durante a pandemia. A tese da coalizão de trabalhadores é que o presidente brasileiro agiu com “dolo” –quando tem a intenção do ilícito– ao se omitir e colocar a população em risco de morte.

Nas redes sociais, Bolsonaro já é chamado de nosso “Milosevic”, em referência ao ex-presidente Slobodan Milosevic, da Sérvia (1989-1997) e da Iugoslávia (1997-2000). A exmeplo do mandatário brasileiro, ele foi acusado por crimes contra a humanidade e genocídio no Tribunal Penal Internacional, de Haia, porém sofreu condenação em 2006.

Após cinco anos na prisão, em Haia, Milosevic morreu em março de 2006, aos 64 anos.

Entretanto, o Tribunal Penal Internacional de Haia não chegou a um veredicto sobre a culpa de Slobodan Milosevic. Em virtude de sua morte, o processo foi extinto.

Na manhã deste domingo (26), ao relatar o pacto da velha mídia pelo silêncio em relação ao genocídio, o Blog do Esmael reforçou o conceito da palavra.

“Genocídio é o extermínio deliberado de pessoas motivado por diferenças étnicas, nacionais, raciais, religiosas e, por vezes, sociopolíticas (ver: engenharia social).”

De acordo com a Wikipédia, o objetivo final do genocídio é o extermínio de todos os indivíduos integrantes de um mesmo grupo humano específico. No caso específico, na pandemia, as vítimas têm sido os pretos e os pobres.

Veja também  Deputado petista apresenta projeto que torna crime invasões de hospitais

“Existe controvérsia entre vários estudiosos, quanto ao fato de se designar ou não como genocídio os assassinatos em massa por motivos políticos. O genocídio é um tipo de limpeza étnica”, pondera a página.

Há duas semanas, o ministro Gilmar Mendes, do Supremo Tribunal Federal (STF), disse que o Exército Brasileiro estaria se associando a um genocídio, ao se reportar à maneira como o presidente Jair Bolsonaro se comporta frente à pandemia do novo coronavírus. Como resposta, o Ministério da Defesa pediu abertura de um inquérito contra o magistrado com base na Lei de Segurança Nacional (LSN), um entulho da ditadura que já faz ‘hora extra’ no âmbito do Estado Democrático de Direito.