Em nota, PT do Paraná pede federalização do inquérito sobre assassinato de Marcelo Arruda

A rápida conclusão do inquérito policial, que afastou a motivação política no assassinato de Marcelo Arruda, tesoureiro do PT, chamou a atenção dos mundos político e jurídico do País.

Em nota, o diretório estadual do PT do Paraná, além de também estranhar a agilidade da Polícia Civil nesse caso, o partido apelou para que o inquérito seja federalizado com a participação da Justiça Eleitoral, Procuradoria-Geral da República (PGR) e Supremo Tribunal Federal (STF).

– O inquérito da Polícia Civil sobre o caso Marcelo Arruda é muito prematuro, vários elementos não estão contidos neste relatório. Como é possível não haver motivação política no fato de uma pessoa invadir uma festa particular com temática do PT ao som e gritos de Aqui é Bolsonaro? – contestou o deputado Arilson Chiorato, presidente estadual do PT no Paraná.

Só a título de comparação, lembram os petistas, o atentado a tiros contra a caravana do ex-presidente Lula, ocorrido há mais de quatro anos no Paraná, até hoje não apontou um responsável pelos disparos.

– O cara entra gritando “Bolsonaro” numa festa com o tema do Lula, mata o aniversariante e a polícia conclui que a motivação não foi política. Impressionante como a Direita brasileira se protege, o verdadeiro ‘ninguém solta a mão de ninguém’, nem dos homicidas – tuitou o ex-senador Roberto Requião, pré-candidato do PT ao governo do Paraná.

– Extremamente interessante a opinião sobre o assassinato (político) de Marcelo Arruda, dada por Moro e Dalagnol – ironizou ainda Requião.

O ex-juiz Sergio Moro (União), pré-candidato ao Senado, e o ex-procurador Deltan Dallagnol (Podemos), pré-candidato a deputado federal, até o fechamento desta matéria, não havia se manifestado em suas respectivas redes sociais.

► Para a polícia bolsonarista, não houve motivação política em morte do tesoureiro do PT em Foz do Iguaçu

► Nova tragédia no Paraná: policial mata 8 pessoas e depois tira a própria vida em Toledo

► PT pede federalização de investigação sobre assassinato de dirigente petista em Foz do Iguaçu

A seguir, leia a íntegra da nota do PT-PR:

Nota oficial do PT-PR sobre inquérito da Polícia Civil do caso Marcelo Arruda

O Partido dos Trabalhadores do Paraná vem a público manifestar sua surpresa com o resultado do inquérito apresentado pela Polícia Civil do Paraná, na manhã desta sexta-feira, 15, sob a direção da Delegada Camila Cecconelo, a respeito do brutal assassinato de Marcelo Arruda, ocorrido em Foz do Iguaçu, no sábado, 9 de julho.

Entendemos que as conclusões que constam no inquérito apresentado pela Polícia Civil e Secretaria de Segurança Pública, são prematuras, e que podem levar a interpretação de que o que teria ocorrido com Marcelo, seria fruto de uma briga comum sem motivações políticas, narrativa esta, contestada pelos fatos amplamente divulgados na imprensa, com imagens e depoimentos que provam a motivação política do crime.

Causa-nos preocupação o fato de que os advogados de Marcelo, não tenham tido amplo acesso as diligências e investigações desenvolvidas pela Polícia Civil, conforme divulgado em nota pública pelos mesmos. Reiteramos que a participação dos advogados, dos envolvidos nas diligências, é fator indispensável ao bom cumprimento do direito penal, e das garantias legais que regem o estado de direito.

Reiteramos também, nosso apelo para que este inquérito seja federalizado com a participação da Justiça Eleitoral, PGR e STF, para que salvaguardem o direito dos cidadãos, a manifestarem livremente suas opções políticas, sem que corram risco de serem assassinados. Na tarde desta quinta-feira, 14, partidos políticos de diversas matizes, pediram para que o Tribunal Superior Eleitoral contenha a violência política neste momento tão conturbado da vida pública brasileira, e que não permita mais que nenhuma manifestação de ódio feita pelo Presidente da República venha a dar mais combustível a ações violentas como presenciadas em Foz do Iguaçu.

O encerramento apressado das investigações desse crime bárbaro é, acima de tudo, uma ofensa à família de Marcelo, além de um prognóstico preocupante de conivência das autoridades com os futuros episódios de violência que ameaçam as eleições deste ano.

O que ocorreu com Marcelo Arruda não pode ser naturalizado, tão pouco banalizado, sob o risco de que a democracia brasileira sofra um processo traumático e sem precedentes de ruptura. Continuaremos na luta por justiça para Marcelo e contra toda forma de violência política.

Partido dos Trabalhadores do Paraná

Blog do Esmael, notícias verdadeiras.