Elon Musk sobreposto na logo do Twitter

Elon Musk suspende compra do Twitter

Google News

O bilionário Elon Musk disse que sua oferta de US$ 44 bilhões para comprar o Twitter estava “temporariamente suspensa” até que ele pudesse obter mais detalhes para confirmar que spam e contas falsas representam menos de 5% do total de usuários da rede social.

Musk fez o anúncio em um tuíte antes do amanhecer desta sexta-feira (13/05), o capítulo mais recente de um drama corporativo que levantou questões sobre a liberdade de expressão online e as ramificações de colocar a pessoa mais rica do mundo no comando de uma das mídias sociais mais influentes de todas as plataformas.

Musk, o presidente-executivo da Tesla, disse que livrar a plataforma de contas falsas, bots e spam seria uma de suas principais prioridades após assumir. Em seu tuíte de hoje, Musk vinculou-se a um artigo da Reuters publicado em 2 de maio sobre um registro regulatório do Twitter que incluía uma estimativa do número de spam e contas falsas.

As ações do Twitter caíram cerca de 20 por cento nas negociações de pré-mercado desta sexta-feira.

Conhecido por seu estilo de negócios livre e às vezes impulsivo, os comentários de Musk levantaram questões sobre o futuro do negócio. Em um documento regulatório de 2 de maio, o Twitter disse que estimou que menos de 5% de seus usuários eram falsos ou spam, um número divulgado anteriormente. Na apresentação, o Twitter alertou que aplicou “julgamento significativo” ao fazer o cálculo e que “nossa estimativa de contas falsas ou de spam pode não representar com precisão o número real”.

– Muitos verão isso como Musk usando essas contas de arquivamento/spam no Twitter como uma maneira de sair desse acordo em um mercado em grande mudança – disse Daniel Ives, analista da Wedbush, em nota aos investidores.

Veja também  Felipe Neto é atacado nas redes sociais, mas tiro bolsonarista sai pela culatra; youtuber ganha apoios

A oferta surpresa de Musk pelo Twitter gerou um debate considerável sobre o papel de uma plataforma de mídia social para policiar o que é dito por seus usuários. O Twitter passou anos tentando combater o discurso de ódio, assédio e outros abusos online, mas Musk, que tem um histórico de usar a plataforma para atacar e menosprezar os críticos, prometeu afrouxar as políticas de moderação de conteúdo da empresa. Na terça-feira (10/05), ele disse que suspenderia a proibição ao ex-presidente Donald Trump.

Recuar do acordo pode ficar confuso. O acordo de compra inclui uma taxa de US$ 1 bilhão que Musk teria que pagar se rescindisse o acordo, embora não esteja claro como tal cláusula se aplicaria se Musk pudesse provar que os números de usuários do Twitter estavam incorretos. Se o financiamento da dívida de Musk estiver intacto, o Twitter também pode levar o bilionário à justiça para forçá-lo a pagar pelo negócio.

Musk prometeu usar uma quantia considerável de sua fortuna pessoal para financiar o negócio do Twitter, um plano que foi impactado por uma recente queda nos preços das ações, incluindo as da Tesla. As ações da Tesla caíram quase 30% no mês passado. Musk está vendendo ações da Tesla e colocando-as como garantia para empréstimos pessoais para levantar dinheiro.

Se um acordo for concluído, qualquer problema no Twitter pode forçar Musk a recorrer ainda mais a suas ações da montadora elétrica para tapar possíveis buracos financeiros. E qualquer problema na Tesla que fizesse com que suas ações caíssem o suficiente poderia desencadear cláusulas nos empréstimos pessoais de Musk que exigiriam que ele adicionasse mais garantias, limitando sua capacidade de investir no Twitter.

Veja também  Robôs bolsonaristas não foram às ruas neste domingo, ironiza o PT

A oferta de Musk criou incerteza no Twitter, uma empresa que já luta para adicionar usuários e gerar mais receita. Na quinta-feira (12/05), o presidente-executivo do Twitter, Parag Agrawal, demitiu dois altos executivos, suspendeu novas contratações e prometeu cortar gastos.

As informações são do jornal americano The New York Times.