Deputados criticam “mercantilização” da Lava Jato com vendas de palestras e livros

As palestras de R$ 40 mil do procurador Deltan Dallagnol foram duramente criticadas, nesta segunda-feira (19), pelos deputados na Assembleia Legislativa do Paraná.

O deputado Tadeu Veneri (PT) subiu à tribuna para abrir fogo contra a “mercantilização” da Lava Jato, que, segundo o parlamentar, possibilita ao procurador vender livros de autoajuda e palestras de R$ 40 mil.

“Não acredito em santidade na terra. Não quero construir mito nem santo”, discursou o deputado PT.

Em aparte, o deputado Rubens Recalcatti (PSD) fez dele as declarações de Veneri.

“Imagine se fosse um deputado estadual fazendo palestras, cobrando R$ 40 mil, e vendendo livros de autoajuda no exercício da função”, comparou o deputado do PT.

Tadeu Veneri disse que não ficou convencido com a justificativa de Dallagnol, que, após descoberto, afirmou doar a maior parte da renda das palestras e venda de livros.

A presidenta nacional do PT, senadora Gleisi Hoffmann, sugeriu neste domingo (18) que as vantagens e salários do procurador Deltan Dallagnol sejam submetidos aos rigores da reforma trabalhista.

“Aqui cabe Reforma Trabalhista: salário alto, estabilidade no emprego, duas férias por ano, auxílios diversos e ainda cobram para dar palestras”, criticou a dirigente e senadora do PT.

Veja também  Lula é ameaçado de morte por deputado bolsonarista; confira o vídeo

Comments are closed.