De olho no apoio de Bolsonaro, Alvaro Dias diz que CPI do MEC “seria apenas um palanque”

O senador Alvaro Dias (Podemos-PR) não é mais o mesmo.

O parlamentar paranaense, que foi do núcleo Lava Jato, afrouxou na CPI do MEC porque está de olho no apoio do presidente Jair Bolsonaro (PL).

Alvaro é pré-candidato à reeleição, mas, pelas contas, só continuará no cargo de senador se obtiver as graças de Bolsonaro e do governador Ratinho Junior (PSD).

Explícito: Bolsonaro é flagrado exibindo o pinto em público

Numa entrevista à Jovem Pan, neste domingo (10/04), o senador alegou que não apoiou a abertura da comissão por considerar que ela “seria apenas um palanque armado com objetivos eleitoreiros”.

– Em ano eleitoral, especialmente na situação do Brasil, uma CPI é um palanque. E nós já vimos isso na CPI da Covid. Era importante aquela CPI, mas infelizmente ela não atuou como deveria – disse.

Alvaro Dias, que ó o líder do Podemos no Senado, não assinou a CPI do MEC e disse que não vai assinar o pedido de investigação.

Você vai se arrepiar com xingamentos de bolsonaristas contra Ratinho Junior durante missa com Bolsonaro [vídeo]

É dele o bordão de que o Senado e o governo não podem ser transformados em um “balcão de negócios”.

No entanto, seu correligionário e conterrâneo Oriovisto Guimarães (Podemos-PR) retirou a assinatura pela abertura da CPI do MEC.

Empresário da área da educação e de tecnologia, Oriovisto foi fundador do Grupo Positivo.

O senador Randolfe Rodrigues (Rede-AP) havia conseguido as 27 assinaturas necessárias para protocolar o pedido de instalação da comissão, mas a expectativa de apoio de Bolsonaro nas eleições de outubro parece que pesou na bancada do Podemos. Ou não?