Congresso aprova emendas secretas de R$ 19 bilhões para o ano que vem: suspeitas de corrupção

► Congressistas denunciaram que emendas secretas seriam utilizadas para comprar votos e em esquemas de corrupção

Nada é tão ruim que não possa piorar.

Que o diga o Congresso Nacional.

Sessão conjunta da Câmara e do Senado, nesta terça (12/07), aprovou nesta terça-feira (12/07) o projeto de Lei de Diretrizes Orçamentárias (LDO – PLN 5/22), que determina as metas e prioridades para os gastos públicos do ano que vem e oferece os parâmetros para elaboração do projeto de lei orçamentária de 2023

A proposta agora segue para sanção do presidente cessante Jair Bolsonaro (PL).

As ‘emendas secretas’ de relator-geral do Orçamento, classificadas como RP 9, foram o ponto mais polêmico da votação.

O substitutivo aprovado pelo Congresso retirou dispositivo que tornava obrigatória a execução desses recursos, que somam R$ 16,5 bilhões no Orçamento deste ano, mas podem chegar a R$ 19 bilhões no ano que vem.

► Ao vivo: PEC do Desespero, de R$ 41 bi, pode ser votada nesta terça pela Câmara dos Deputados

Note que as emendas secretas continuam válidas, embora sua execução não seja obrigatória.

O presidente do Congresso, Rodrigo Pacheco (PSD-MG), celebrou o acordo entre o governo e a minoria que permitiu a votação da LDO sem a impositividade das emendas de relator – as famigeradas emendas secretas.

– Teremos ao longo dos meses um debate muito profundo relativamente às emendas de relator [emendas secretas] – disse o presidente do Senado.

Segundo Pacheco, o senador Marcelo Castro (relator-geral do Orçamento 2023) cuidará de fazer com que haja o estabelecimento de todos os critérios possíveis para que se confira a maior e absoluta regularidade e transparência a esses recursos necessários aos estados e municípios.

Ah, bom!

Suspeita de compra de votos

Parlamentares de vários partidos fizeram críticas às emendas de relator, por avaliar que há falta de transparência e isonomia na distribuição dos recursos entre os parlamentares.

Houve também denúncias de que as RP 9 [emendas secretas] seriam utilizadas para influenciar as votações do Congresso ou teriam vínculos com esquemas de corrupção.

– Há exemplos de municípios que recebem verbas para saúde muito maiores do que a capacidade de execução e atendimento – denunciou o deputado Marcel Van Hattem (Novo-RS).

– Apenas parlamentares que trabalham em troca de voto recebem recursos das emendas de relator – afirmou o deputado Rogério Correia (PT-MG).

Blog do Esmael, notícias verdadeiras.