Governador de Nova York renunciou em agosto de 2021 após denúncias de assédio sexual

CNN demite famoso âncora que é irmão do ex-governador de Nova York acusado de assédio sexual

O famoso âncora Chris Cuomo foi demitido pela CNN no sábado (04/12), completando uma queda impressionante para o apresentador de maior classificação da rede em meio a uma investigação contínua sobre seus esforços para ajudar seu irmão, Andrew Cuomo, então governador de Nova York, a evitar acusações de assédio sexual.

O âncora foi suspenso na terça-feira depois que depoimentos e mensagens de texto divulgadas pelo procurador-geral de Nova York revelaram um papel mais íntimo e engajado nos assuntos políticos de seu irmão do que a rede disse ter conhecido anteriormente.

Na quarta-feira, Debra S. Katz, uma proeminente advogada trabalhista, informou à CNN sobre um cliente com uma alegação de má conduta sexual contra Chris Cuomo. Katz disse em um comunicado no sábado que a alegação contra o âncora, feita por um ex-colega júnior em outra rede, “não tinha relação com o assunto do governador Andrew Cuomo”.

Não estava totalmente claro que papel a alegação desempenhou na decisão da CNN de demitir Cuomo. A advogada Debra Katz também é defensora de Charlotte Bennett, uma ex-assessora de Andrew Cuomo que acusou o ex-governador em fevereiro de assédio sexual.

Questionada sobre a nova alegação, uma porta-voz da CNN disse em um comunicado na noite de sábado: “Com base no relatório que recebemos sobre a conduta de Chris com a defesa de seu irmão, tínhamos motivos para encerrar. Quando novas alegações chegaram até nós esta semana, nós as levamos a sério e não vimos nenhuma razão para adiar uma ação imediata.”

Um porta-voz de Cuomo, Steven Goldberg, disse em um comunicado no sábado: “Essas alegações aparentemente anônimas não são verdadeiras”.

A advogada Debra Katz disse que seu cliente “se apresentou porque estava enojada com as declarações de Chris Cuomo no ar em resposta às alegações feitas contra seu irmão, o governador Andrew Cuomo”. Katz citou uma transmissão de 1º de março em que Chris Cuomo disse: “Sempre me preocupei muito com essas questões, e muito profundamente. Eu só queria te dizer isso.”

O porta-voz de Cuomo respondeu que o ex-âncora “defende plenamente suas declarações no ar sobre sua conexão com essas questões, tanto profissionalmente quanto de forma profundamente pessoal. Se o objetivo de fazer essas acusações falsas e não julgadas era ver Cuomo punido pela CNN, isso pode explicar sua demissão injustificada.”

Mais cedo no sábado, a CNN disse que havia “contratado um respeitado escritório de advocacia para conduzir uma revisão” do envolvimento do âncora com a equipe política de Andrew Cuomo. “Durante o processo de revisão, informações adicionais vieram à tona”, disse a CNN. “Apesar da rescisão, investigaremos conforme apropriado.”

Como apresentador gregário e às vezes combativo do horário das 21h da CNN, Cuomo estava no auge de uma carreira de jornalista que havia forjado fora de sua famosa família política. Mas foram os problemas de seu irmão, que renunciou ao governo em agosto, que acabaram envolvendo Cuomo em uma polêmica que pareceu precipitar sua demissão.

“Não é assim que quero que meu tempo na CNN termine, mas já disse por que e como ajudei meu irmão”, disse Chris Cuomo em um comunicado no sábado. “Então, deixe-me dizer por mais decepcionante que seja, eu não poderia estar mais orgulhoso da equipe em Cuomo Horário Nobre e do trabalho que fizemos como o programa nº 1 da CNN no horário mais competitivo.”

Até o mês passado, Cuomo tinha contado com o apoio do presidente da CNN, Jeff Zucker, e não enfrentou nenhuma disciplina por sua estratégia nos bastidores com os assessores políticos de Andrew Cuomo, uma violação das normas jornalísticas básicas.

Mas documentos divulgados em 29 de novembro revelaram que o âncora ofereceu conselhos sobre as declarações públicas de Andrew Cuomo e fez esforços para descobrir a situação de artigos pendentes em outros meios de comunicação, incluindo The New Yorker e Politico, sobre alegações de assédio contra seu irmão.

Zucker – que sempre apoiou Chris Cuomo, dizendo que o âncora era “humano” e enfrentava “circunstâncias muito peculiares” – informou ao âncora no sábado que estava sendo demitido. “Nem é preciso dizer que essas decisões não são fáceis e há muitos fatores complexos envolvidos”, escreveu Zucker em um memorando para a equipe da CNN.

O espetáculo de um âncora de alto nível aconselhando seu poderoso irmão político em meio a um escândalo foi uma dor de cabeça de longa data para muitos jornalistas da CNN, que expressaram em particular desconforto com ações que, em sua opinião, comprometeram a credibilidade da rede. O âncora da CNN Jake Tapper veio a público com suas preocupações em maio, dizendo ao The New York Times que seu colega havia “nos colocado em uma situação ruim”, acrescentando: “Não consigo imaginar um mundo em que alguém no jornalismo ache que isso seja apropriado.”

Mesmo assim, o momento da demissão de Cuomo, em um sábado às 17h, pegou muitos membros da redação da CNN desprevenidos.

A decisão da rede no início da semana de suspender Cuomo deixou em aberto a possibilidade de que ele pudesse retornar ao canal em uma data posterior. O principal correspondente de mídia da CNN, Brian Stelter, especulou no ar na quarta-feira que era “possível que ele volte em janeiro”.

A rede disse na terça-feira que iniciaria uma revisão interna da conduta de Cuomo. Mas seus executivos não planejaram imediatamente contratar um escritório de advocacia externo, de acordo com uma pessoa familiarizada com o processo interno de tomada de decisões da rede. Esse plano mudou nos últimos dias, e a CNN se recusou no sábado a identificar o nome do escritório de advocacia que contratou.

The New York Times