Cientistas dizem que Ômicron está se espalhando mais rápido na África do Sul do que qualquer outra variante

Cientistas dizem que Ômicron está se espalhando mais rápido na África do Sul do que qualquer outra variante

Rt da Ômicron é quase 2,5 vezes maior do que o da Delta na África do Sul

Risco de reinfecção com a variante Ômicron é cerca de 2,4 vezes maior do que o risco visto com a versão original do coronavírus

Os Estados Unidos identificaram pelo menos 10 casos em seis estados

A nova pesquisa indica que a variante pode se espalhar mais facilmente do que o Delta, que antes era a versão mais rápida do vírus. Ômicron foi encontrado em pelo menos seis estados, principalmente entre viajantes.

Ressaltando as crescentes preocupações com a Ômicron, cientistas da África do Sul disseram na sexta-feira que a mais nova variante do coronavírus parece se espalhar mais de duas vezes mais rápido que o Delta, que foi considerada a versão mais contagiosa do vírus.

A rápida propagação da Ômicron resulta de uma combinação de contagiosidade e capacidade de se esquivar das defesas imunológicas do corpo, disseram os pesquisadores, mas a contribuição de cada fator ainda não é certa.

“Não temos certeza do que é essa mistura”, disse Carl Pearson, um modelador matemático da London School of Hygiene & Tropical Medicine que conduziu a análise. “É possível que seja até menos transmissível do que Delta.”

Alguns desses pesquisadores relataram na quinta-feira que a nova variante pode evitar parcialmente a imunidade adquirida com uma infecção anterior. Ainda não está claro se, ou em que grau, a Ômicron pode escapar da proteção conferida pelas vacinas atuais.

A nova pesquisa foi postada no Twitter e ainda não foi revisada por pares nem publicada em um jornal científico.

A variante Ômicron apareceu em quase duas dezenas de países. Os Estados Unidos identificaram pelo menos 10 casos em seis estados, e as autoridades de saúde dizem que a disseminação do vírus pela comunidade é inevitável. O presidente Joe Biden reiterou na manhã de sexta-feira que as mais novas medidas pandêmicas de seu governo, anunciadas no início desta semana, devem ser suficientes para conter a disseminação da Ômicron.

A variante foi identificada pela primeira vez na África do Sul em 23 de novembro e rapidamente respondeu por cerca de três quartos dos novos casos no país. A África do Sul relatou 11.535 novos casos de coronavírus na quinta-feira (02/12), um salto de 35 por cento em relação ao dia anterior, e a proporção de resultados de testes positivos aumentou de 16,5 por cento para 22,4 por cento.

“É realmente impressionante a rapidez com que parece ter assumido o controle”, disse Juliet Pulliam, diretora de um centro de modelagem epidemiológica da Universidade de Stellenbosch na África do Sul, que liderou a pesquisa anterior sobre imunidade.

Os casos de Ômicron, em particular, estão dobrando aproximadamente a cada três dias na província de Gauteng, lar do centro econômico densamente povoado da África do Sul e agora o epicentro da quarta onda de infecções do país, disseram os pesquisadores na sexta-feira.

Em uma análise matemática, eles estimaram o Rt da variante – uma medida da rapidez com que um vírus se espalha – e o compararam com a métrica do Delta. Eles descobriram que o Rt da Ômicron é quase 2,5 vezes maior do que o da Delta.

Esse número depende não apenas de quão contagiosa a variante pode ser, mas também de sua capacidade de contornar as defesas imunológicas do corpo assim que atinge um novo hospedeiro. Em uma pesquisa relacionada publicada na quinta-feira, a Dra. Pulliam e seus colegas estimaram a capacidade da nova variante de escapar da imunidade examinando casos confirmados no país até o final de novembro.

Eles relataram um aumento nas reinfecções entre pessoas com teste positivo para o vírus pelo menos 90 dias antes, sugerindo que a imunidade adquirida em uma luta anterior com o vírus não durou tanto quanto durou. O aumento das reinfecções coincidiu com a disseminação da Ômicron no país.

A equipe não confirmou que as reinfecções que observaram foram devido à variante, mas disse que era uma suposição razoável. Um pico semelhante não ocorreu quando as variantes Beta e Delta eram dominantes, observaram os cientistas.

A Dra. Pulliam e seus colegas estimaram que o risco de reinfecção com a variante Ômicron é cerca de 2,4 vezes maior do que o risco visto com a versão original do coronavírus.

O aumento de casos na África do Sul foi acompanhado por um aumento semana a semana nas internações hospitalares, já maior do que nas ondas anteriores, de acordo com dados do Instituto Nacional de Doenças Transmissíveis da África do Sul.

Mas ainda não está claro se a Ômicron causa doenças mais graves do que outras versões do coronavírus. A porcentagem de novos casos encontrados em crianças menores de 5 anos também aumentou acentuadamente no país, mas isso pode ser porque mais adultos estão imunizados.

Do New York Times