Centrão vai colocar um pé na canoa de Bolsonaro e outro pé na canoa de Lula em 2022

Pés largos, o Centrão vai se dividir nas eleições presidenciais de 2022. Segundo o presidente nacional do PP, deputado André Fufuca (MA), uma parte da legenda irá no palanque do presidente Jair Bolsonaro (sem partido) e outra subirá no palanque do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT).

Na prática, Fufuca disse que a régua do PP servirá para todo os demais partidos do Centrão no Congresso Nacional: os parlamentares colocarão um pé na canoa de Bolsonaro e outro pé na canoa de Lula em 2022. A modalidade esportiva –“um pé em cada canoa”– poderá ser adotada na Olimpíada de Paris, em 2024, segundo analistas políticos de Brasília ouvidos pelo Blog do Esmael.

jQuery(document).ready(function() { $(window).scroll(function () { var set = $(document).scrollTop()+"px"; jQuery('#float-banner').animate({ top:set }, { duration:1000, queue:false }); }); });

O PP tem estratégias diferentes nos estados, principalmente no Nordeste, onde disputas regionais fazem uma ala se movimentar na direção de alianças com o ex-presidente Lula. Assim também se comportarão outras agremiações rotuladas na Câmara e no Senado como Centrão.

Leia também

Banco Santander sugere golpe para evitar o retorno de Lula e revolta o País

Estadão luta pelo “nem-nem”, nem Lula nem Bolsonaro, mas terceira via naufragou

Economia

Lula lança Memorial da Verdade enquanto Bolsonaro amplia as mentiras nas redes sociais [vídeo]

O PP é o partido do presidente da Câmara, Arthur Lira (AL), e do chefe da Casa Civil, senador Ciro Nogueira (PI), cujos redutos eleitorais são no Nordeste, onde prevalece a força política do PT.

Para reforçar a supremacia entre os nordestinos, Lula começará domingo (15/08) uma nova caravana pela região que inclui seis estados: Pernambuco, Piauí, Maranhão, Ceará, Rio Grande do Norte e Bahia.