Caso Marcelo Arruda: Ministério Público pede quebra de sigilos telefônicos de bolsonaristas

Deu ruim para os bolsonaristas.

O promotor Tiago Lisboa Mendonça, do Ministério Público do Paraná, requereu à Justiça de Foz do Iguaçu (PR) a quebra de sigilos telefônicos e telemáticos de bolsonaristas que tiveram relação com a morte de Marcelo Arruda, dirigente do PT, assassinado no último dia 10 de julho quando a vítima comemorava seu aniversário.

O promotor de Justiça designado para o caso Marcelo Arruda destaca na petição que o celular do vigilante Claudinei Coco Esquarcini já está aprendido e será periciado pela polícia técnica.

Esquarcini era quem tinha acesso às senhas das câmeras de vigilância. No entanto, ele supostamente se suicidou no domingo (17/10), no município de Medianeira, a 60 km de Foz, antes mesmo de ser ouvido pelos investigadores.

► Aparece morto diretor de associação onde dirigente do PT Marcelo Arruda foi assassinado em Foz do Iguaçu

O Ministério Publico requisitou ainda busca e apreensão dos aparelhos celulares de Marcio Jacob Muller Murback e de Vaguino Parecido Gonçalves, ambos sócios da Associação Recreativa Esportiva Segurança Física de Itaipu (Aresf), que tinham acesso às imagens da festa de aniversário do dirigente petista assassinado.

A fim de traçar com precisão o percurso realizado pelo agente penal federal, Jorge Guarunho, o MP concordou com os advogados da família Marcelo Arruda, ao requerer imagens junto ao comércio, residências e vias públicas em que teria transitado o agressor, quando ele sai da ASSEMIB (Associação dos Empregados da Itaipu Binacional Brasil) em direção à ARESF na data do fatídico evento.

Clique aqui para ler a íntegra da manifestação do Ministério Público do Paraná.

Blog do Esmael, notícias verdadeiras.