Carluxo quer espionar a República, diz a Folha/Uol

O grupo Folha/Uol afirma nesta quarta-feira (19/5) que o vereador Carlos Bolsonaro (Republicanos-RJ), o Zero Dois, planeja uma central de espionagem no Ministério da Justiça.

Segundo a reportagem, seria criada uma espécie de “Abin Paralela”, à margem das forças armadas e da PF, para espionagem políticas. Ou seja, adversários políticos e de governo poderiam ser monitorados mesmo sem mandados judiciais.

Pois bem, mas para isso Carluxo precisaria de um software de espionagem chamado Pegasus. O equipamento está em processo de licitação no Ministério da Justiça pela “bagatela” de R$ 25,4 milhões. O valor ainda poderá ser reajustado.

O Pegasus é um programa desenvolvido pela empresa israelense NSO Group.

Leia também

De acordo com militares, que são contra a “Abin Paralela”, o Pegasus possibilita a invasão de celulares e computadores sem indicar o responsável pelo acesso.

Carluxo, filho do presidente Jair Bolsonaro, já é tido como “cérebro” do gabinete do ódio na campanha e no Palácio do Planalto.

O Pegasus pode virar uma arma política nas mãos de Carluxo, portanto.

O presidente da OAB, Felipe Santa Cruz, acusou a família Bolsonaro de tentar privatizar o Estado para proveito próprio.

É a privatização do Estado com o controle de uma única família: o filho do presidente, que nenhum cargo possui na esfera federal, afasta ministros, interfere em licitações, etc. Tais fatos precisam ser apurados”, afirmou ao Uol.

“Segue a luta da família Bolsonaro pela ruptura do tecido institucional do nosso país”, disse Santa Cruz.