Bolsonaro: ‘se houver indulto para criminosos neste ano, certamente será o último’

O presidente eleito Jair Bolsonaro (PSL) prometeu nesta quarta (28) abrir mão de sua prorrogativa constitucional, de indultar presos, e, consequentemente, manter a superlotação nos presídios brasileiros.

LEIA TAMBÉM
Deltan versus Supremo

“Fui escolhido presidente do Brasil para atender aos anseios do povo brasileiro. Pegar pesado na questão da violência e criminalidade foi um dos nossos principais compromissos de campanha. Garanto a vocês, se houver indulto para criminosos neste ano, certamente será o último”, tuitou Bolsonaro.

Daqui a pouco, a partir das 14h, o Supremo Tribunal Federal (STF) julgará a constitucionalidade do decreto de Michel Temer, de dezembro de 2017, de indulto de Natal.

O Brasil tem 730 mil presos e a medida presidencial, se acatada, liberará cerca de 30 mil detentos.

A população carcerária brasileira é a terceira maior do mundo, atrás somente dos Estados Unidos e da China.

A maioria dos presos, jovens e negros, por porte de pequenas quantidades de drogas, comprova que a política criminal brasileira não tem sido sábia. Pelo contrário, as prisões são verdadeiras escolas de facções criminosas.