Bolsonaro perdeu a vergonha: Petrobras eleva preço da gasolina em 18% e do diesel, em 25%

► O Brasil é autossuficiente na produção de petróleo e é um dos exportadores mundiais do produto

Embora o Brasil seja autossuficiente na produção de petróleo, o presidente Jair Bolsonaro (PL) insiste na política de paridade internacional de preços da Petrobras. Por isso, a estatal anunciou nesta quinta-feira (10/03) que vai elevar o preço da gasolina e do diesel. Para a gasolina, a alta será de 18% e, para o diesel, de quase 25%. Os novos valores começam a ser praticados nesta sexta-feira (11/03).

– Após serem observados preços em patamares consistentemente elevados, tornou-se necessário que a Petrobras promova ajustes nos seus preços de venda às distribuidoras para que o mercado brasileiro continue sendo suprido, sem riscos de desabastecimento – disse a empresa em nota. No entanto, a petrolífera não mencionou que os novos preços visam garantir a remuneração [dividendos] de especuladores e acionistas – em detrimento dos consumidores brasileiros e da economia nacional.

Gleisi Hoffmann denuncia “roubo” na Petrobras promovido pelo governo Bolsonaro

Com isso, o preço médio de venda da gasolina da Petrobras para as distribuidoras passará de R$ 3,25 para R$ 3,86 por litro. O diabo é que os preços nas bombas são mais do que o dobro.

– Considerando a mistura obrigatória de 27% de etanol anidro e 73% de gasolina A para a composição da gasolina comercializada nos postos, a parcela da Petrobras no preço ao consumidor passará de R$ 2,37, em média, para R$ 2,81 a cada litro vendido na bomba. Uma variação de R$ 0,44 por litro – diz o comunicado.

Para o diesel, o preço médio vai de R$ 3,61 para R$ 4,51 por litro.

– Considerando a mistura obrigatória de 10% de biodiesel e 90% de diesel A para a composição do diesel comercializado nos postos, a parcela da Petrobras no preço ao consumidor passará de R$ 3,25, em média, para R$ 4,06 a cada litro vendido na bomba. Uma variação de R$ 0,81 por litro.

A cruzada de Lula contra o preço abusivo da gasolina e contra o desmonte da Petrobras

Para enrolar os consumidores brasileiros, o governo Bolsonaro afirma que a redução na oferta global de produto, ocasionada pela restrição de acesso a derivados da Rússia, regularmente exportados para países do ocidente, faz com que seja necessária uma condição de equilíbrio econômico para que os agentes importadores tomem ação imediata, e obtenham sucesso na importação de produtos de forma a complementar o suprimento de combustíveis para o Brasil.

O Brasil é autossuficiente na produção de petróleo e é um dos exportadores mundiais do produto. E, por equívoco de sua política, a Petrobras importa derivados de combustíveis refinados. Ou seja, a estatal privatizou suas refinarias para depender do refino externo [burrice ou canalhice?].

Venezuela tem a gasolina mais barata do mundo; 50 litros custa R$ 6,50 no país de Nicolás Maduro

O preço do petróleo no mercado internacional já vinha em alta e a situação se gravou de maneira dramática nos últimos 15 dias, em decorrência do conflito entre Ucrânia e Rússia, que é um importante produtor de petróleo e gás natural. O preço do petróleo Brent — referência nacional, tem sido negociado acima dos US$ 105 e a expectativa é que continue subindo no curto prazo. E é contra esse atrelamento, o PPI, que a sociedade brasileira precisa se insurgir.

Nesta semana, a situação se agravou ainda mais com a decisão dos Estados Unidos de proibir a importação da commodity. O movimento influencia os preços no Brasil, já que a Petrobras segue a criminosa paridade internacional.

Gás de cozinha também é reajustado

O valor do GLP (gás liquefeito de petróleo), conhecido como gás de cozinha, também sobe nesta sexta-feira. O preço médio de venda do insumo passará de R$ 3,86 para R$ 4,48 por kg, equivalente a R$ 58,21 por 13kg, refletindo reajuste médio de R$ 0,62 por kg.

O último ajuste de preços do GLP foi feito há 152 dias.

– Esses valores refletem parte da elevação dos patamares internacionais de preços de petróleo, impactados pela oferta limitada frente a demanda mundial por energia – diz a nota da Petrobras.

General de Bolsonaro na Petrobras não segura novo aumento no preço do gás de cozinha

Vale ressalta que, na véspera, Receita Federal publicou uma instrução normativa zerando alíquotas do PIS/Pasep e da Cofins sobre o botijão de gás de cozinha de 13 quilos (kg) de uso doméstico. A medida incide sobre a importação e a receita de comercialização do produto.

Ficam reduzidas a zero as alíquotas da Contribuição para o PIS/Pasep-Importação e da Cofins-Importação incidentes sobre o gás liquefeito de petróleo (GLP) que será, posteriormente à operação, envasado em recipientes de até 13 kg e destinado ao uso doméstico, diz a norma.

Especuladores afirmam que defasagem se mantém

Nem entrou em vigor o anunciado hoje, os especuladores querem mais aumentos nos combustíveis.

Mesmo com o aumento, alegam os parasitas, a defasagem estimada do preço da gasolina se mantém.

De acordo com cálculos do diretor do Centro Brasileiro de Infraestrutura (CBIE), Adriano Pires, essa defasagem fica em 20% ante 31,6% anteriormente.

Já no diesel, fica em torno de 19% ante 34,1%.

Bolsonaro perdeu a vergonha ao deixar essa farra nos preços dos combustíveis.